08
Ago

Meio a meio: Elas, neles!

Boas Idéias Polêmica

O #jehjeh é inteiramente contra o preconceito! Por isso então, trago esse post mais que especial… Hehehe

O fotografo francês Leland Bobbé, criou um projeto incrível em Nova York chamado “Half Drag”.

Mostrar tipos diferentes de beleza em uma única foto, fotografou homens com seu lado feminino com apenas a metade do rosto maquiado a lá Drag Queen.

O objetivo é mostrar que qualquer homem por mais masculino que seja, pode se tornar uma Diva ao cair da noite! Alem claro de informar e criticar o preconceito…

Ahm, e uma curiosidade é que todas as fotos foram tiradas em apenas um disparo!

 

 

 

 

 

Bônus:

Don’t be a drag, just be a queen!

Beijos.

1 Comentário
04
Abr

Instagram Poster

Boas Idéias Comprinhas Polêmica

Your own photo mosaic

E depois da polemica do aplicativo Instagram agora estar disponível para telemóveis celulares Adroid para alem do Iphone trago hoje um #plus para essa novidade! Hehehe

Pergunte a qualquer um que use Instagram e eles te dirão que esse simples aplicativo, fez suas vidas infinitamente mais interessantes! Em seguida, com certeza irão te mostre as fotos, que provam isso…

Bem, estas fotos estilo retro não precisam mais viver apenas na Web, ou uma tela móvel. Graças ao Instagram Poster você pode desfrutar das suas fotos surpreendentes em sua casa. E então, tudo que você tem a fazer é marcar os que você deseja adicionar ao seu cartaz. É fácil…

 

Não há quase nenhum limite para o número de fotos que você pode adicionar… Cada cartaz possui 61cm de largura fixa, mas você pode adicionar tantas linhas de fotos como você quiser. Então, o tamanho do cartaz irá depender de quantas fotos você tem, sendo o máximo de 1,5m. Caso ultrapasse, então vão começar a diminuir o tamanho das fotos, para assim encaixarem perfeitamente. Ahm, e você ainda pode escolher entre o fundo branco ou preto.

Especificações do produto:

Poster personalizado com suas imagens do Instagram;
Escolha a partir de um fundo preto ou branco;
Impresso em papel de alta qualidade semigloss 260gsm mais grosso do que o papel padrão cartaz.

Dimensões:

Tamanho máximo é de 150cm x 61cm;
O tamanho máximo da imagem padrão é 13,5cm x 13,5cm.

Mas atenção:

Uma vez processado o pedido, enviam o seu cartaz final no prazo de aproximadamente 1-2 dias úteis;
O comprimento do seu cartaz irá variar, não havendo limites de fotos adicionadas,
Se as imagens escolhidas não encaixarem no comprimento máximo de 1,5m as imagens serão encolhidas para caber;
Como este é um produto personalizado não aceitam devoluções, mas se você tiver quaisquer preocupações sobre a qualidade do cartaz, poderá entrar em contato e então te enviarão uma cópia digital do seu cartaz. Mas caso não volte a entrar em contato por um mês, seus dados serão apagados.  

Lembrando que a loja Firebox não pode ser responsabilizada pelas imagens que aparecem em seu cartaz. No caso de insatisfação com qualquer uma das imagens em destaque, por favor, tome-a com a pessoa que as criou.

E voltando ao assunto, não vejo problema nenhum o Instagram ser agora disponível também para o Android. Muitos se esquecem, mas ele também é uma Rede Social e logo quanto mais pessoas aderirem,  melhor… Sem contar que um aparelho não é fator que defina a classe social de ninguém… Provas disso, aqui.

E qual a opinião de vocês?

Beijos.

8 Comentários
28
Dez

Castelo Ratimbum x Harry Potter: Plágio ou pura coincidência?

Opinião Polêmica

Para quem não se lembra, ou então não é da época eu relembro, hehehe

Castelo Ratimbum foi é um programa infantil de televisão brasileiro produzido e transmitido pela TV Cultura, e pela Rede Pública deTelevisão. Voltado para o público infanto-juvenil e seguindo uma abordagem pedagógica, o programa estreou no dia 9 de maio de 1994 até deixar de ser produzido em 1997. Sua história é Nino é um garoto de 300 anos que vive com seu tio, o Dr. Victor, um feiticeiro e cientista, e com sua tia-avó Morgana, uma feiticeira de 6.000 anos de idade. Os três moram num castelo no meio da cidade de São Paulo. Aprendiz de feiticeiro, Nino nunca frequentou uma escola, por causa da idade nada comum de 300 anos. Seus pais o deixaram morando com Victor e Morgana, porque precisavam viajar numa expedição no espaço sideral, levando seus dois irmãos mais novos. Apesar de ter amigos animais e sobrenaturais no Castelo, Nino, sentindo falta de amigos como ele, resolve fazer um feitiço que aprendeu com seu tio Victor, e acabou trazendo para o Castelo, três crianças que tinham acabado de sair da escola. Livre da solidão, Nino recebe a visita dos três diariamente, além das visitas especiais de um velho amigo seu, o entregador de pizza Bongô; da charmosa repórter de TV, Penélope; da lenda folclórica Caipora; e de um ET, o Etevaldo. Para preencher o lado maligno da história, está o Dr. Abobrinha, um especulador imobiliário que deseja derrubar o Castelo e construir em seu lugar um prédio de cem andares.

Harry Potter, é uma série de aventuras fantásticas, escrita pela escritora britânica J. K. Rowling. Desde o lançamento do primeiro volume, Harry Potter e a Pedra Filosofal, em 1997, os livros ganharam grande popularidade e sucesso comercial no mundo todo, e deram origem a filmes, videojogos e muitos outros itens. A história começa com o mundo dos bruxos, que tenta manter-se secreto dos Muggles “Trouxas” (aqueles que não são bruxos). Por muitos anos este mundo foi aterrorizado por Lord Voldemort. Na noite da sua queda, Voldemort encontrou o esconderijo da família Potter, e matou Lilly e James Potter Lílian e Tiago Potter, no Brasil. Entretanto, quando voltou sua varinha contra o bebê dos Potter, Harry, o seu feitiço voltou-se contra ele. Voldemort só não morreu por causa de suas Horcruxes, porém com o corpo destruído, Voldemort tornou-se um espírito sem poder, procurando refúgio em lugares escondidos do mundo; Harry, enquanto isso, foi deixado com uma cicatriz em forma de raio em sua testa, o único sinal físico da maldição de Voldemort. Harry tornou-se conhecido como “O Menino que Sobreviveu” no mundo dos feiticeiros, por ter sido o único a sobreviver a maldição da morte e por ter derrotado Lord Voldemort. Orfão, Harry Potter é criado pelos seus tios, os Trouxas Dursley. Porém, quando o seu aniversário de onze anos se aproxima, Harry tem seu primeiro contato com o mundo mágico quando recebe cartas da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, que são roubadas pelos tios antes que ele possa lê-las. No seu décimo primeiro aniversário, Harry é informado por Hagrid, o guarda-caças de Hogwarts, que ele é um bruxo e por isso tem uma vaga na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Cada livro registra uma ano da vida de Harry em Hogwarts, onde ele aprende a usar e controlar a magia e a fazer poções. Harry também aprende a ultrapassar muitos obstáculos mágicos, sociais e emocionais que enfrenta em sua adolescência e na segunda tentativa de ascensão de Voldemort ao poder.

 

E não é apenas em alguns pontos da historia que são parecidos, seus personagens também parecem muito…

 

Nino: Um menino de 300 anos de idade, vive com seu tio Victor e sua tia-avó Morgana. Inconformado com o fato de não poder ir a escola (afinal, nenhuma escola poderia aceitar um aluno com 3 séculos de idade), Nino utiliza um feitiço que aprendeu com seu tio, enfeitiçando a bola de Zeca, atraindo a ele e seus amigos Biba e Pedro para o Castelo. Desde então, os quatro se tornaram grandes amigos. Os pais de Nino não apareceram no programa porque estavam viajando. Em 1990 eles foram viajar por dez anos para o espaço.

Harry: O menino órfão que vive com os tios, cresce e aprendeu a dominar seus poderes na saga. É filho dos importantes feiticeiros Tiago e Lilian.

O que eles têm de tão parecido: São meninos feiticeiros. Os principais das séries, vivem com seus tios em quartos debaixo das escadas.

Pedro: Pedro é como sua aparência demonstra, um pouco mais intelectual que seus demais amigos. Sempre com boas ideias, praticamente torna-se líder do grupo na ausência de Nino, por ser o mais esperto. Tem uma queda por Biba, o que mostrado em alguns episódios da série.

Ronny: Desengonçado e de bom coração, o melhor amigo de Potter e namoradinho de Hermione brigou diversas vezes com os amigos, sempre retornando ao grupo.

O que eles têm de tão parecido: São amigos fieis. Alem de tem uma queda pelas garotas da turma.

Biba: Uma garota esperta, feminina e decidida. Quando não está tirando sarro dos meninos ou agindo como a mais “responsável” do grupo. Adora contar vantagem para cima de Pedro, insinuando ser mais madura que ele por ser mulher, mas no fundo tem uma queda por ele.

Hermione: Inteligente, a garota do trio principal da série salvou o grupo em diversas situações com sua esperteza e rapidez.

O que eles têm de tão parecido: São as amigas espertas. Alem de serem responsáveis e decididas, tem uma quedinha por um dos garotos da turma.

Zeca: Pequeno, sapeca e muito curioso, chegando a ser desagradável em muitas situações. Tanto que, ao menor sinal de alguma coisa que ele não compreenda, logo ele dispara: “Por quê?”, iniciando uma sequência de “porquês” até alguém perder a calma e berrar “Porque sim, Zequinha!” ou variações da mesma, trazendo o quadro de “Por quê?” para responder a dúvida dos personagens. Em alguns episódios, também demonstra ser um tanto glutão e esfomeado.

Neville Longbottom: Estudante da Grifinória, que não tem uma memória muito boa. O personagem desastrado ganha mais importância na fase final da saga.

O que eles têm de tão parecido: São os amigos medrosos. Alem de serem ambos gulosos e esfomeados, principalmente por doces.

Dr. Victor: É irmão da mãe de Nino e portanto seu tio. Um poderoso feiticeiro, amigo das máquinas, animais e crianças. Inventor incrivelmente talentoso que também trabalha para uma companhia de função não especificada muito provavelmente uma firma tecnológica. Victor age como um pai para Nino e é rígido com ele quando este está sendo muito teimoso ou preguiçoso com suas obrigações, com frequência fazendo o tio do garoto exclamar seu bordão “Raios e Trovões!” o qual causa os próprios. Victor tem alguns milênios de idade, o que lhe proporcionou a chance de conhecer figuras históricas, entre elas podendo-se citar sua amizade com Leonardo da Vinci. Logo no primeiro episódio é revelado que possui 3000 anos

Dumbledore: O simpático diretor de Hogwarts tem muita importância na saga HP, sempre dando pistas a Potter e tentando manter a paz em Hogwarts.

O que eles têm de tão parecido: São poderosos feiticeiros com muitos anos de idade. Alem de terem um certo instinto paternal com os principais personagens de suas séries.

Morgana: Tia-avó de Nino, uma poderosa feiticeira que completou 6000 anos em um episódio da série. Morgana viveu muito, estando presente em muitos grandes eventos e passagens da história e de lendas. Tem em Adelaide sua fiel companheira e mascote de bruxa. Seu quarto fica na torre mais alta do castelo. Atua como uma mãe para Nino durante a série e é um tanto mais paciente com Nino do que Victor.

Minerva McGonagall: Apesar da aparência severa, a professora é amável e também é a diretora da casa Grifinória de bruxos a qual já pertenceram, por exemplo, Hagrid e os pais de Potter

O que eles têm de tão parecido: São as sábias e feiticeiras, também com muitos anos. Tem aparencia severa mas são totalmente amáveis.

Tíbio e Peronio: Dois cientistas malucos, sempre são mencionados quando um fato interessante “interessaria muito a uma pessoa. Uma não, duas”. Tíbio é o mais responsável, enquanto Perônio é mais desligado e infantil. Perônio, com frequência esquece quem é quem, além de possuir uma obsessão em fazer a “Experiência sobre o Voo das borboletas”. Tíbio e Perônio moram em um laboratório em algum ponto da cidade, onde também mora seu bicho de estimação, o “tatatossauro” um monstro de algum tipo do qual nunca se pode ver nada, já que eles próprios morrem de medo. O detalhe mais engraçado dos dois é que Perônio passa a série inteira obcecado em fazer a experiência do voo das borboletas experiência que por sinal falaram tanto e jamais foi realizada. Apesar dos dois serem irmãos gêmeos, Tíbio é de fato o mais velho.

Fred e George: Irmão gêmeos de Ron e Gina, os ruivos são valentes, simpáticos e um pouco desengonçados ao estilo da família Weasley, hehehe.

O que eles têm de tão parecido: São gêmeos e gênios,hahaha. Alem de serem desengonçados e trapalhões.

Dr. Abobrinha: Aparentemente Um corretor imobiliário que possui uma obsessão em construir um prédio de cem andares com estacionamento e acredita que o espaço onde o castelo está seria perfeito para isso. Por causa disso, constantemente se disfarça e tenta fazer os moradores assinarem um contrato de venda, mas sempre falha tanto por ser desastrado como por ser descoberto, jurando que um dia o castelo será seu. Constantemente se irrita por ser chamado de Abobrinha, afirmando que seu nome é “Dr. Pompeu Pompílio Pomposo”.  Porém, em um episódio em que seu primo gêmeo Dr. Berinjela aparece, parece muito claro que Abobrinha pode ser o nome verdadeiro dele e que suas afirmações de que sejam “Dr. Pompeu” sejam só um apelido de que gosta. Possui uma leve queda por Morgana, o que é provado quando um dia ele se disfarça de Dr. Victor e a entrega um cartão de aniversário.

Lord Voldemort: “Aquele que não se deve dizer o nome” pode ser malvado mesmo, porém é por conta dele que todas as aventuras de “Harry Potter” ocorrem…

O que eles têm de tão parecido: São os vilões.E alem de muito malvados, ambos são carecas…

Etevaldo: Um garoto alienígena de planeta não conhecido. Sua primeira visita ao nosso planeta contou com o primeiro encontro com o pessoal do castelo. Após ler um dicionário inteiro em questão de segundos, ele dominou o idioma humano, embora continue cometendo alguns erros de português. Um tanto ingênuo sobre costumes terrestres, mas sempre brincalhão e divertido. Vem visitar o castelo com frequência, entrando via teleporte direto de sua nave espacial. Seu nome, Etevaldo, foi dado por Zeca, já que seu nome mesmo, no idioma de seu planeta natal, ninguém consegue entender.

Hagrid: Difícil não ter afeição pelo desengonçado gigante de Hogwarts, que está sempre auxiliando a turma de Potter.

O que eles têm de tão parecido: São os amigos estranhos. Alem de serem brincalhoes e divertidos.

Penélope: Uma jovem repórter, muito bonita e popular na televisão, apresentadora de seu próprio telejornal. Sempre se destacando por sua vestimenta, maquiagem e cabelos cor-de-rosa, Penélope adora visitar o castelo e se divertir com as crianças. Nino, não muito secretamente, tem uma leve queda por ela no começo da série. É conhecida por ser altamente escandalosa quando vê um rato ou quando descobre ou ouve algum fato chocante, soltando um berro de se ouvir no outro lado do mundo.

Ninfadora Tonks: Uma bruxa muito especial, que pode mudar sua forma completamente à partir de sua vontade. Também conhecida nos livros, por ter várias cores de cabelo, como uma velha, e até mesmo com um bico de pato e focinho de porco.

O que eles têm de tão parecido: São as garotas de cabelo colorido. Alem de usarem praticamente o mesmo corte…

Godofredo: Monstro parecido com uma ratazana, outros pensam que ele seja um Elfo. Um tanto caseiro que mora com Mau nos encanamentos, vive com medo da Gargalhada Fatal, fazendo de tudo para ajudar os telespectadores com os desafios do Mau. Às vezes, entretanto, ele leva a melhor, enganando Mau ou fazendo Mau não dar sua Gargalhada.

Dobby: Elfo-doméstico, que representa um papel muito importante na trama e está sempre envolvido nos momentos mais engraçados do filme.

O que eles têm de tão parecido: Os monstrinhos dóceis. Alem de sempre estarem dispostos a ajudar.

Ratinho: Morando em um buraco de rato com garagem, Ratinho pode ser visto cantando pneu pelo castelo em seu Ratomóvel, indo direto para seu buraco e dando começo ao seu próprio quadro, o qual mostra coisas importantes como jogar lixo no lixo, escovar os dentes, tomar banho e reciclagem…

Pedro Pettigrew: Também conhecido como Rabicho, o animago viveu como rato durante um grande período, adquirindo feição de rato e nariz pontudo. Estudou em Hogwarts na mesma época que Sirius Black, Tiago Potter e Remo Lupin.

O que eles têm de tão parecido: São os ratos. Que vivem ou viveram em um buraco.

Adelaide: Gralha de estimação. Morgana afirma que encontrou ela ainda filhote, abandonada pela mãe por ser capaz de falar. É um tanto criança às vezes, brigando com pessoas por não darem atenção para ela ou por não poder fazer coisas como quer, prontamente ganhando de Morgana uma lição de história referente ao tema.

Edwiges: É uma coruja-das-neves que leva mensagens para e do seu dono, onde quer que ele esteja. Harry ganhou a coruja do amigo Hagrid, antes de entrar em Hogwarts, enquanto compravam seus materiais escolares básicos e sua varinha mágica, no Beco Diagonal, ainda no primeiro livro da série.

O que eles têm de tão parecido: São as aves. Ambas têm muita personalidade e sãomais “falante” que as corujas-da-neve comuns. Alem de aparentarem um apego maternal ao seu dono, e sente ciúmes…

Mau: Monstro roxo que habita os encanamentos do castelo. Seus passatempos envolvem mostrar que ele é mau como diz seu nome, mas aparentemente não tem muito sucesso por que no fundo, ele é um monstro de coração. Seu quadro no castelo envolve perguntar aos telespectadores respostas de enigmas ou repetir trava-línguas, sob ameaça de ouvirem sua temível “Gargalhada Fatal”. Outro passatempo dele é correr pelos encanamentos do castelo, fazendo barulho. Suspeita-se que o Mau tenha vindo do Pantanal. Mau demostrou em um episódio, uma queda pela personagem Zula, o que é mostrado quando ele a convida para conhecer seus encanamentos.

Basilisco: É uma serpente enorme cujo olhar é capaz de matar uma pessoa instantaneamente através de clorofilas minúsculas que secretam um poderoso veneno que atinge em cheio o cérebroda vítima, por isso quando visto de um espelho é-se petrificado até beber o Suco de Mandrágora. Basiliscos nascem quando uma uma cobra engole um ovo de galinha que tenha sido chocado por uma rã. Tem muita resistência, podendo viver muito tempo. Mas o canto do galo pode lhe ser fatal, segundo dito no livro Harry Potter e a Câmara Secreta. O veneno de um basilisco é uma substância altamente nociva e o único antídoto para tal veneno é a lágrima de uma fênix. Este mesmo veneno é também uma das poucas formas conhecidas de se destruir Horcruxes.

O que eles têm de tão parecido: São criaturas que vivem no esgoto. Alem de ambas serem ameaças por suas temíveis “qualidades” fatais, hehehe

Celeste: Uma cobra cor-de-rosa que habita a árvore do castelo, ela é geniosa e um tanto egoísta às vezes, mas nunca chega ser violenta como suas contrapartes do mundo animal. Seu passatempo favorito para exasperação dos demais é reclamar que ela é “só uma pooooobre cobra sem pernas, nem pés, nem braços nem mãos“. Geralmente reclama com Nino e costuma o corrigir, caso aja infantilmente, o quie gera brigas entre os dois. Mas em outros momentos, parecem demonstrar amizade e afeto um pelo outro.

Snape: Com voz e jeito soturnos, o professor deixou em dúvida, em alguns momentos, a qual grupo pertencia, apesar de sempre parecer amedrontador

O que eles têm de tão parecido: São cobras. Mas ambos parecendo ser uma ameaça, demonstram amizade e afeto pelos outros com o decorrer das séries.

Planta Carnívora: Flor que mora em um vaso na entrada da sala de música. Ela não fala e raramente interage com os outros personagens. Sempre morde o dedo das pessoas que tentam passar a mão nela.

Salgueiro Lutador: É uma alta árvore que fica nos terrenos da Escola de Magia e Feitiçaria de Hogwarts. Seria uma árvore comum, se não pudesse movimentar o seu tronco para atacar quem esteja perto. Ele foi plantado quando Dumbledore tornou-se diretor da escola, com propósito de ajudar o jovem Remus John Lupin (que fora mordido e transformado em lobisomem) a transformar-se, em todas as luas cheias, sem que oferecesse perigo a nenhum dos outros alunos. Lupin utilizava uma passagem, por baixo das raízes da árvore, para chegar à Casa dos Gritos, onde se transformava e permanecia até voltar ao normal. O Salgueiro Lutador tem um botão que se for apertado imobiliza-o.

O que eles têm de tão parecido: São as plantas diferentes. Apesar de belas, caso não haja cuidado, podem ser bem perigosas.

Castelo: Um castelo que fica no meio da cidade de São Paulo. É habitada animais e humanos sobrenaturais.

Hogwarts: Um internato de magia para bruxos e bruxas com idades entre onze e dezessete anos. É o palco principal para os primeiros seis livros da série Harry Potter. A propriedade de Hogwarts é muito vasta e os alunos do primeiro ano chegam à escola atravessando o lago em barcos de madeira. Enquanto os outros alunos vão em carruagens aparentemente sem cavalos, mas na realidade, puxadas por Testrálios, que só podem ser vistos por quem já viu a morte de perto. O lago de Hogwarts contém muitas criaturas mágicas como por exemplo a lula gigante, sereianos, grindylows, entre outros.

O que eles têm de tão parecido: O cenário. Alem de ser palco principal de ambas as histórias, também guardam muitos fenômenos e criaturas sobrenaturais.

 

E vocês, o que acham?

Fãs, por favor levem na brincadeira… Pois afinal, se parecem bastante vai!? Hehehe

Beijos. 

69 Comentários
17
Ago

Produção de roupas, por mão de obra escrava!

Polêmica

Equipes de fiscalização trabalhista flagraram trabalhadores estrangeiros submetidos a condições equivalentes à escravidão, produzindo peças de roupa da marca internacional Zara, do grupo espanhol Inditex. Por exatas: Três vezes!

Na operação, foram investicadas as principais fornecedoras da rede e 15 pessoas, incluindo uma adolescente de apenas 14 anos, foram libertadas de escravidão em duas oficinas: uma localizada no Centro da capital paulista e outra na Zona Norte de São Paulo.

A investigação da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo a SRTE/SP se iniciou a partir de uma outra fiscalização realizada em Americana no interior paulista, em maio desse ano. Na ocasião, 52 trabalhadores foram encontrados em condições degradantes e parte do grupo costurava calças da Zara.

Auditora fiscal que participou de todas as etapas da fiscalização, Giuliana Cassiano Orlandi, disse: “Por se tratar de uma grande marca, que está no mundo todo, a ação se torna exemplar e educativa para todo o setor”. Complementa que, a ação serve também para mostrar a proximidade da escravidão com pessoas comuns, graças ao meio dos hábitos de consumo. “Mesmo um produto de qualidade, comprado no Shopping Center, pode ter sido feito por trabalhadores vítimas de trabalho escravo”.

Em um quadro encontrado pelos agentes do poder público, incluía: contratações completamente ilegais, trabalho infantil, condições degradantes, jornadas exaustivas de até 16h diárias e cerceamento de liberdade seja pela cobrança e desconto irregular de dívidas dos salários, o truck system ou pela proibição de deixar o local de trabalho sem prévia autorização. Um dos trabalhadores explorados chegou a conta que só conseguia sair da casa com a autorização do dono da oficina, só concedida em casos urgentes, como quando levou seu filho ao médico.

Quem vê as blusas de tecidos finos e as calças da estação nas vitrines das lojas da marca não imagina que ALGUMAS DELAS, foram feitas em ambientes apertados, sem ventilação, sujos, com crianças circulando entre as máquinas de costura e a fiação elétrica toda exposta. Um dos motivos, é porque as peças custam bem caro…

Por fora, as oficinas parecem residências, mas todas têm em comum as poucas janelas sempre fechadas e com tecidos escuros para impedir a visão do que acontece do lado de dentro das oficinas improvisadas.

As vítimas libertadas pela fiscalização foram aliciadas na Bolívia e no Peru em busca de melhores condições de vida, deixam os seus países em busca do “sonho brasileiro”. Quando chegam, geralmente têm que trabalhar inicialmente por meses, em longas jornadas, apenas para conseguirem pagar os valores referentes ao custo de transporte para o Brasil. Foram apreenderam dois cadernos com anotações de dívidas referentes à: passagens, documentos e vales que faziam com que o empregado aumentasse ainda mais as dívidas. Mostram também alguns dos salários recebidos pelos empregados: de R$ 274 a R$ 460, bem menos que o salário mínimo vigente no país, que é de R$ 545.

As oficinas de costura inspecionadas não respeitavam nenhuma norma referente à Saúde e Segurança do Trabalho. Além da sujeira, os trabalhadores conviviam com o perigo iminente de incêndio, que poderia tomar grandes proporções devido a quantidade de tecidos espalhados pelo chão e à ausência de janelas, além da falta de extintores de incêndio. Após um dia extenuante de trabalho, os costureiros, e seus filhos, ainda eram obrigados a tomar banho frio. Os chuveiros permaneciam desligados por conta da sobrecarga nas instalações elétricas, feitas sem nenhum cuidado, que aumentavam os riscos de incêndio. As cadeiras nas quais os trabalhadores passavam sentados por mais de 12 horas diárias eram completamente improvisadas. Alguns colocavam espumas para torná-las tentanto as tornar mais confortáveis. As máquinas de costura não possuíam aterramento e tinham a correia toda exposta. O descuido com o equipamento fundamental de qualquer confecção ameaçava especialmente as crianças, que circulavam pelo ambiente e poderiam ser gravemente feridas dedos das mãos decepados ou até escalpelamento…

Tudo isso para uma redução do preço dos produtos, caracterizando o dumping social, uma vantagem econômica indevida no contexto da competição no mercado, uma concorrência desleal.

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) lavrou 52 autos de infração contra a Zara devido todas essas irregularidades, nas duas oficinas. Um dos autos se refere à discriminação étnica de indígenas quéchua e aimará. De acordo com a análise feita pelos auditores, restou claro que o tratamento dispensado aos indígenas era bem pior que ao dirigido aos não-indígenas. “Observa-se com nitidez a atitude empresarial de discriminação. Todos os trabalhadores brasileiros encontrados trabalhando em qualquer um dos pontos da cadeia produtiva estavam devidamente registrados em Carteira de Trabalho e Previdência Social, jornadas de trabalho condizentes com a lei e garantidos em seus direitos trabalhistas e previdenciários.  E por outro lado, os trabalhadores imigrantes indígenas encontram-se em situação de trabalho deplorável e indigno, em absoluta informalidade, jornadas extenuantes e meio ambiente de trabalho degradante.

A primeira oficina vistoriada mantinha seis pessoas, incluindo uma adolescente de 14 anos, em condições de trabalho escravo. No momento da fiscalização, os empregados finalizavam blusas da Coleção Primavera-Verão da Zara, na cor azul e laranja. Para cada peça feita, o dono da oficina recebia R$ 7. Os costureiros declararam que recebiam, em média, R$ 2 por peça costurada. No dia seguinte à ação, dia 27 de junho, foram até uma loja da Zara na Zona Oeste de São Paulo, e encontraram uma blusa semelhante, fabricada originalmente na Espanha, sendo vendida por R$ 139.

A oficina funcionava em um cômodo de uma casa pequena , na parte de cima de um sobrado. Seis máquinas de costura ocupavam uma pequena sala. Dois quartos abrigavam todos os trabalhadores, inclusive casais com filhos. O espaço era dividido por guarda-roupas e panos. No banheiro, não havia água banho quente, pois o chuveiro estava desligado para reduzir o consumo de energia elétrica, que era totalmente destinada à produção. A adolescente de 14 anos tomava conta das duas crianças enquanto as mães trabalhavam. Ela ajudava também na limpeza da casa e no preparo das refeições. No Brasil desde 2010, não está estudando. Seu irmão juntou dinheiro e foi buscá-la na capital boliviana de La Paz.

A fiscalização lacrou a produção e apreendeu parte das peças, incluindo a peça piloto da marca Zara. As máquinas de costura também foram interditadas por não oferecerem segurança aos trabalhadores.

Parte da produção foi apreendida, assim como as peças pilotos, que carregavam instruções da Zara de como confeccionar a peça de acordo com o padrão definido pela varejista multinacional. “Isso demonstra a subordinação das oficinas e da AHA em relação à Zara”, realça Giuliana. A oficina e um dos quartos, onde dormiam dois trabalhadores e duas crianças, foram interditados. A fiação elétrica estava totalmente exposta e havia possibilidade de curto-circuito.

Os trabalhadores declararam trabalhar das 7h30 às 20h, com uma hora de almoço, de segunda à sexta-feira. Aos sábados, o trabalho seguia até às 13h. Um trabalhador chegou a relatar que há dias em que o trabalho se estende até às 22h. O local funciona em um sobrado de dois andares, com muitos cômodos. O maior deles, onde os trabalhadores passavam a maior parte do dia, acomodava as máquinas. Os cinco banheiros estavam muito sujos. Somente três possuíam chuveiros, mas todos também estavam desligados.

A Zara foi avisada do flagrante no momento da ação pelos auditores fiscais e convidada a ir até a oficina de costura, mas não compareceu.

No dia seguinte, compareceram à sede da SRTE/SP dois diretores, que não quiseram participar da reunião de exposição dos fatos. Até o advogado da empresa foi embora sem ver as fotos da situação encontrada. Somente duas advogadas da AHA, que no início da reunião se apresentaram como enviadas dos donos das oficinas e até dos trabalhadores, participaram da reunião com os auditores. A empresa não providenciou sequer alimentação às vítimas, que ficou a cargo do sindicato da categoria.

Durante o período auditado pela fiscalização (julho de 2010 a maio deste ano), a AHA foi a fabricante da Zara que mais cresceu em faturamento e número de peças de roupas faturadas para a marca, a ponto, na descrição da SRTE/SP, de se tornar a maior fornecedora da Zara na área de tecidos planos. Entretanto, chamou a atenção dos agentes que, nesse mesmo período, a empresa diminuiu o número de empregados formalizados. Os contratados diretamente da AHA passaram de 100 funcionários para apenas 20. A redução do de trabalhadores na função de costureiros foi ainda mais drástica: dos anteriores 30 para cinco funcionários exercendo a função. “O nível de dependência econômica deste fornecedor para com a Zara ficou claro para a fiscalização. A empresa funciona, na prática, como extensão de logística de sua cliente preponderante, Zara Brasil Ltda.”, sustentam os auditores fiscais do trabalho que estiveram à frente da investigação.

A confecção de uma calça gerava ao dono da oficina terceirizada R$ 6, em média. Este valor era dividido em três partes: R$ 2 para os trabalhadores; R$ 2 para as despesas com alimentação, moradia e outros custos; e R$ 2 para o dono da oficina. Após a produção na oficina, a intermediária (AHA) recolhia a produção e encaminhava as peças à lavanderia, também terceirizada. Depois, o produto ainda era acabado e embalado para ser entregue à Zara.

Após os flagrantes, os trabalhadores compareceram à SRTE/SP, onde foram colhidos depoimentos e emitidas as carteiras e guias de Seguro Desemprego para Trabalhador Resgatado. Parte das vítimas já havia dado entrada na documentação obter o visto de permanência no Brasil.

As verbas rescisórias, que acabaram sendo pagas pela intermediária AHA, totalizaram mais de R$ 140 mil. As contribuições previdenciárias sonegadas e pagas a posteriori somaram cerca de R$ 7,2 mil. Já as contribuições sociais e ao FGTS sonegadas chegaram à R$ 16,3 mil.

A AHA, que preferiu não responder especificamente ao conjunto de perguntas enviadas. A advogada da fornecedora da Zara enviou apenas uma nota escrita a imprensa e declarou que a empresa “jamais teve conhecimento da utilização, pelas oficinas contratadas, de mão de obra escrava; jamais teve qualquer participação na contratação dos funcionários de referidas oficinas; e, assim que tomou conhecimento de irregularidades constatadas pelo Ministério do Trabalho e Emprego, imediatamente adotou todas as providências necessárias à regularização”.

Após a fiscalização, a Rhodes pagou as verbas rescisórias de cada trabalhador. A fiscalização foi à nova oficina de Narciso, em 26 de junho, e constatou melhorias. Entre elas, o registro de todos os funcionários, regularização migratória, submissão de costureiros a exames médicos.

De acordo com auditores fiscais da GRTE de Campinas-SP, houve adequação da instalação elétrica e melhora do espaçamento entre as máquinas. Os trabalhadores agora utilizam cadeiras com melhores condições ergonômicas e de conforto. A iluminação também foi melhorada e os equipamentos de incêndio estão todos válidos e sinalizados. As saídas de emergência foram demarcadas.

“Com a mudança da oficina e a suspensão da interdição, grande parte dos trabalhadores voltaram a trabalhar de forma regular nas novas instalações da mesma oficina“, discorre a auditora Márcia Marques. Foram lavrados 30 autos de infração contra a intermediária Rhodes pelas irregularidades encontradas. Nove autos se referem às questões trabalhistas e as demais infrações estão relacionadas à saúde e segurança do trabalho. A reportagem não conseguiu entrar em contato com a Rhodes pelos telefones da empresa.

Em resposta a questões sobre os ocorridos, a Inditex – que é dona da Zara e de outras marcas de roupa com milhares de lojas espalhadas mundo afora, classificou o caso envolvendo a AHA e as oficinas subcontratadas como “terceirização não autorizada” que “violou seriamente” o Código de Conduta para Fabricantes. Seungod a Inditex, o Código de Conduta determina que qualquer subcontratação deve ser autorizada por escrito pela Inditex. A assinatura do Código do Conduta é obrigatória para todos os fornecedores da companhia e foi assumido pelo fornecedor em questão.
A empresa disse ter agido para que o fornecedor responsável pela “terceirização não autorizada” pudesse “solucionar” a situação imediatamente, assumindo as compensações econômicas dos trabalhadores e comprometendo-se a corrigir as condições de trabalho da oficina flagrada com escravidão.

Haverá, segundo a Inditex, um reforço an revisão do sistema de produção da AHA, assim como das outras empresas no Brasil, para garantir que não exista outro caso como este. “Estamos trabalhando junto com o MTE para a erradicação total destas práticas que violam não só nosso rígido Código de Conduta, como também a legislação trabalhista brasileira e internacional”.

Em 2010, a Inditex produziu mais de 7 milhões de unidades de peças no Brasil, desenvolvidas, segundo a empresa, por cerca de 50 fornecedores que somam “mais de 7 mil trabalhadores”. O total de peças que estava sendo produzido irregularmente algumas centenas de peças, adicionou a Inditex, representa “uma porcentagem inferior a 0,03%” da produção do grupo, que é um dos maiores do mundo no segmento, no país.

Lembrando que: A maior parte dos produtos do grupo que comanda a Zara é feita na Europa. Metade é confeccionada em países como Espanha (onde a empresa mantém fábricas próprias) ou Portugal. Outros 14% são fabricados em outras nações europeias como Turquia e Itália. A produção no Brasil corresponde a algo inferior a 1% do total. Em 2010, 30 lojas da Zara já estavam em funcionamento no país. São cerca de 2 mil profissionais contratados diretamente.

No que se refere à presença comercial, o Brasil é o terceiro mercado mais importante da Inditex no continente americano, ficando atrás somente dos Estados Unidos e do México”, colocou a empresa, que manifestou intenção de não abandonar a produção no país. “A Inditex prevê seguir crescendo no Brasil com a abertura de novas lojas a curto, médio e longo prazo”.

Via: Vermelho.org

Eu sinceramente achei esse caso um absurdo!

Primeiro, por descobrir que em pleno Século XXI ainda tenham coragem de um ato tão horrendo que é a escravidão. E por ver que, as maiores vítimas disso são imigrantes.
Acho que, só tem idéia do que é xenofobia, quem está fora de seu pais. E é muito triste ver que isso também acontece no meu…

O que vocês acham? Não deixem de colocar suas opiniões também!

Beijos.

9 Comentários
23
Jul

Músicos que morreram aos 27 anos: Maldição ou simples coincidência?

Coisinhas Polêmica

Eles marcaram suas gerações, com sua boa música e com seu estilo invulgar…
Eram muito jovens que teriam uma vida pela frente, uma carreira importante e acabaram por morrer… Pois, o destino foi cruel para esses grandes talentos!

Como disse Kurt Cobain: “É melhor queimar do que desaparecer aos poucos…”
A verdade é que ele assim como outros, faz parte de um grupo que quase ninguem quer participar, o 27 Club – Dos músicos que morreram aos 27 anos.

Outros “membros” são:

 

Brian Jones: Foi um dos membros fundadores dos Rolling Stones e conhecido por tocar vários instrumentos diferentes. Foi encontrado morto acidentalmente, afogado em sua piscina no ano de 1969. Menos de um mês depois de ter se desligado da banda.

 

Jimi Hendrix: Guitarrista pioneiro que alem de cantor era compositor dos The Jimi Hendrix Experience e Band of Gypsys. Sua autópsia mostrou que morreu asfixiado em seu proprio vomito, depois de combinar vinho com pílulas para dormir.

 

Janis Joplin: Era vocalista e compositora das bandas Big Brother and the Holding Company, Kozmic Blues e Full Tilt Boogie alem de também ter carreira solo. Era muito conhecida por sua beleza e de sua voz, sendo considerada a “Rainha do Rock and Roll”. Morreu em Outubro de 1970, provávelmente por overdose de heroína e bebidas alcoolicas.

 

Jim Morrison: Foi um cantor, compositor e poeta norte-americano, vocalista da banda de rock The Doors. Foi o autor da maior parte das letras da banda. Morreu em Paris no ano de 1971, na banheira. Muitos ainda especularam sobre a causa da morte, se teria sido por overdose de heroina mesmo Jim não ser conhecido pelo consumo. Outra hipótese seria um assassinato planejado pelas próprias autoridades do governo americano. Mas relatório oficial diz que foi “ataque de coração” a causa da sua morte, mesmo nunca a autópsia tenha sido realizada.

 

Amy Winehouse: Foi uma cantora conhecida por seu estilo vocal invulgar e compositora de soul, jazz e R&B do Reino Unido. Apesar do grande talento, admitiu ter problemas de auto-mutilação, depressão e distúrbios alimentares. Alem de beber e usar drogas pesadas, tinha violentas oscilações de humor e perda de peso o que fazia chamar muita atenção da mídia. Foi encontrada morta em 2011 (hoje), em sua casa em Londres. Investigam, porem a causa é ainda desconhecida.

 

Há quem diga que é uma espécie de maldição. Outros que esses músicos fizeram um pacto para conseguir dinheiro, fama e sucesso e após o termino do tempo estipulado, morrem…

Eu particularmente não sei em que acreditar. Mas que é estranho, isso é… Hehehe

E vocês, o que acham?

Beijos.

18 Comentários
!-- WP FOOTER -->