02
Out

Os Sinais do tempo, na Vogue Alemã

Moda

Sob as lentes de Sebastian Kim nas ruas da Cidade Luz, foi feito o editorial da Vogue Alemanha. Chamado “Signs of the Time” ou Sinais do tempo em português trouxe atona um retrato da situação de um novo conceito de “mendigas” abordado com um significado bem profundo…

Dos pés a cabeça com peças de designers famosos mas incapazes de pagar o aluguel, lançam uma critica sobre a sociedade atormentada pela loucura consumista e material. Vestindo um guarda-roupa andante, composto por nada menos que Louis Vuitton, Marc Jacobs, Rick Owens e Gareth Pugh sob combinações de cores, padrões e estampas, expressa o caos de uma cultura literalmente sob o peso e efeito da ganância. Em frente de vitrines de boutiques renomadas em Paris, as cenas não podiam ser mais claras! Um conto de advertência sobre a realidade de gastos excessivos, nos fazendo lembrar que se você vive para a moda, pode acabar enterrado em grande estilo.

 

 

 

Edição de outubro 2012 estrelado pela modelo Magdalena Langrova, da República Checa. Vestida com os projetos de nomes como Rick Owens, Louis Vuitton, Marc Jacobs e Gareth Pugh pela editora de moda Katie Mossman, Maquiador e hairstylist Maud Laceppe Rutger.

Beijos.

Nenhum Comentário
01
Jun

O medo europeu: a bactéria E. Coli

Polêmica S.O.S

A crise dos pepinos está a provocar tensões em todos os ramos europeus, sendo eles: alimentares, económicas e até mesmo, diplomáticos.

Berlim acusou os pepinos espanhóis de serem o vetor de contaminação com uma bactéria; A Espanha por sua vez alega o contrário, referindo que análises feitas nos produtos. Tanto, que o vice-primeiro-ministro espanhol Alfredo Rubalcaba confirmou que Madrid intensiona processar a Alemanha.

Enquanto se procura o verdadeiro culpado pela “bactéria assassina”, um tipo agressivo da Escherichia Coli – mais conhecida como colibacilo – os agricultores espanhóis dizem estar a perder cerca de 200 milhões de euros por semana. “Espero que este problema esteja resolvido dentro de 10 a 15 dias para tentarmos salvar 30 % do investimento, pelo menos para cobrir o valor das sementes porque os outros gastos já não recuperamos”, diz um sindicalista de Múrcia.

A crise também está a colocar milhares de postos de trabalho em risco num país que tem o nível mais elevado de desemprego da União Europeia porem, o grande motivo de preocupação é mesmo a saúde. Já morreram 16 pessoas e mais de mil outras ficaram infetadas, em especialmente na Alemanha.

Afinal, o que é essa bactéria E. Coli? - O Escherichia coli (abrevia-se E. coli) é um grupo grande e diverso de bactérias. Embora a maioria das variedades de Escherichia coli sejam inofensivas, outras podem provocar doenças. Alguns tipos de Escherichia coli podem causar diarréia, enquanto outros provocam infecção urinária, doença respiratória, pneumonia e outras doenças.
Há ainda outros tipos de Escherichia coli que são usados como marcadores de contaminação na água. Você pode escutar sobre achado de Escherichia coli na água para beber, a qual por si mesma pode ser inofensiva, mas é indicador de contaminação.

Quem é infectado por Escherichia coli – Pessoas de qualquer idade podem ser infetadas. Crianças muito pequenas e idosos são mais propensos a desenvolver doença séria e síndrome hemolítico-urêmica, mas até crianças mais velhas e adultos jovens podem ficar seriamente doentes.

Sinais e sintomas de infecção – Os sintomas de infecção por Escherichia coli Shiga Toxigênicas (que produzem um ou mais tipos de toxina denominadas toxina Shiga 1 e 2) variam de pessoa para pessoa, mas freqüentemente incluem cólicas estomacais severas, diarréia (freqüentemente com sangue), e vômito. Se houver febre, ela geralmente não é muito alta, menos de 38,5˚C. A maioria das pessoas fica melhor dentro de 5 a 7 dias. Algumas infecções são moderadas, porém outras são graves e até ameaçam a vida.

Complicações de infecções – Em torno de 5 a 10% das pessoas com infecção por Escherichia coli Shiga Toxigênicas desenvolvem uma complicação potencialmente fatal conhecida como síndrome hemolítico-urêmica. Sinais de que a pessoa está desenvolvendo síndrome hemolítico-urêmica incluem diminuição na freqüência da urinação, sensação de muito cansaço, e cor rosada nas bochechas e dentro das pálpebras inferiores. Pessoas com síndrome hemolítico-urêmica devem ser hospitalizadas porque os rins podem parar de funcionar ou desenvolver outros problemas sérios.
A maioria das pessoas com síndrome hemolítico-urêmica se recupera dentre de algumas semanas, porém algumas pode sofrer danos permanentes ou até morrer.

Como a infecção se espalha – As infecções por Escherichia coli Shiga Toxigênicas começam quando a pessoa engole as bactérias, em outras palavras quando entram pequenas quantidades (geralmente invisíveis) de fezes humanas ou animais na boca. Infelizmente isso acontece com mais freqüência do que se imagina. Exposições que resultam em doença incluem consumo de comida contaminada, leite não pausterizado, água não desinfetada, contato com gado, ou contato com fezes de pessoas infectadas.

Diagnóstico de infecção por Escherichia coli Shiga Toxigênicas - são geralmente diagnosticadas por teste laboratorial de fezes. Identificar a variedade específica de Escherichia coli é muito importante para propósitos de saúde pública.

Tratamento para infecção – O tratamento com terapia não específica, incluindo hidratação, é importante.
Antibióticos não devem ser usados no tratamento. Não existe evidência que tratamento com antibióticos ajude, e o uso poderia elevar o risco de síndrome hemolítico-urêmica. Agentes contra a diarréia, como Imodium®, também poderiam elevar esse risco.

Prevenção de infecção por Escherichia coli Shiga Toxigênicas - Podem ser prevenidas das seguintes formas:

- Lavar as mãos cuidadosamente depois de usar o banheiro, trocar fraldas, e antes de preparar ou comer alimentos;
– Lavar as mãos depois de contato com animais em seu ambiente (fazendas, zoológicos, feiras);
– Evitar laticínios não pasteurizados;
– Evitar engolir água ao nadar em lagos, represas e piscinas.

Pois é, mesmo sendo um problema aqui da Europa, devemos tomar cuidado em qualquer parte do mundo!

Beijos.

21 Comentários
22
Mar

A menina que roubava livros

Na estante

Eis um pequeno fato, você vai morrer… 

★★★★★

Entre 1939 e 1943, Liesel Meminger encontrou a Morte três vezes. E saiu suficientemente viva das três ocasiões para que a própria, de tão impressionada, decidisse nos contar sua história, em “A Menina que Roubava Livros”, livro há mais de um ano na lista dos mais vendidos do “The New York Times”. Desde o início da vida de Liesel na rua Himmel, numa área pobre de Molching, cidade desenxabida próxima a Munique, ela precisou achar formas de se convencer do sentido da sua existência. Horas depois de ver seu irmão morrer no colo da mãe, a menina foi largada para sempre aos cuidados de Hans e Rosa Hubermann, um pintor desempregado e uma dona de casa rabugenta. Ao entrar na nova casa, trazia escondido na mala um livro, “O Manual do Coveiro”. Num momento de distração, o rapaz que enterrara seu irmão o deixara cair na neve. Foi o primeiro de vários livros que Liesel roubaria ao longo dos quatro anos seguintes. E foram estes livros que nortearam a vida de Liesel naquele tempo, quando a Alemanha era transformada diariamente pela guerra, dando trabalho dobrado à Morte. O gosto de rouba-los deu à menina uma alcunha e uma ocupação; a sede de conhecimento deu-lhe um propósito. E as palavras que Liesel encontrou em suas páginas e destacou delas seriam mais tarde aplicadas ao contexto a sua própria vida, sempre com a assistência de Hans, acordeonista amador e amável, e Max Vanderburg, o judeu do porão, o amigo quase invisível de quem ela prometera jamais falar. Há outros personagens fundamentais na história de Liesel, como Rudy Steiner, seu melhor amigo e o namorado que ela nunca teve, ou a mulher do prefeito, sua melhor amiga que ela demorou a perceber como tal. Mas só quem está ao seu lado sempre e testemunha a dor e a poesia da época em que Liesel Meminger teve sua vida salva diariamente pelas palavras, é a nossa narradora. Um dia todos irão conhece-la. Mas ter a sua história contada por ela é para poucos. Tem que valer a pena.

Alguns dados técnicos:

Género: Literatura Estrangeira-Romance

título original: The Book Thief
ano de publicação: 2005
páginas: 500
autor: Markus Zusak

 

Ficamos a conhecer Liesel e sua história, contada pela morte em plena época Hitlerista. Mesmo a primeira vista parecendo ser mórbida é absolutamente simpática! Hehehe

Confesso que, o periodo do holocausto sempre me chamou a atenção mas esse em especial mostrou que, diferente de O menino do pijama listrado nem todos os alemães pensavam como Hitler.

Cheio de mistérios, nos leva a observar com maior intensidade vários sentidos que muitas vezes nos passa desapercebidos: como as cores, os cheiros… Rico em detalhes, observações intrigantes e acontecimentos históricos marcantes.

O preço em média é de R$ 29,80 no Brasil e aqui em Portugal, €19,99.

Não quero me estender demais, mas posso dizer que a menina que roubava livros me fez rir, chorar, torcer, esperar… Um verdadeiro turbilhão de emoções! Incrivelmente intenso, surpreendente e cativante! Por fim “quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler…”

Beijos.

8 Comentários
!-- WP FOOTER -->