21
Ago

O Segredo de Emma Corrigan

Na estante

A vida de Emma Corrigan não é extremamente um livro aberto. Ela tem segredos que não revela para ninguém, muito deles sobre o seu trabalho e namorado. No entanto, durante uma viagem de avião repleta de turbulências, ela pensa que vai morrer e acaba contando todos os segredos para o bonitão ao lado.

Capa

★★★★★

Em O Segredo de Emma Corrigan, Emma, tem 25 anos, mora em Londres e é assistente de marketing da Corporação Panther, uma empresa que tem como produtos principais, bebidas não alcoólicas. Depois de uma desastrosa reunião de negócios na Escócia, que seria uma possível oportunidade de promoção como dizia no anúncio da vaga ela, que morre de medo de voar entra em pânico quando seu avião enfrenta uma terrível turbulência. Para piorar ainda mais as coisas, entre os avisos de “aperte os cintos” ligados, pessoas rezando e uma das aeromoças enxugando o sangue do rosto, ela no desespero de pensar que estavam caindo e sentindo os efeitos dos drinques que tomou no bar do aeroporto, começa a contar seus segredos mais íntimos para o sujeito sentando ao seu lado, um americano que ela pensava ser qualquer de jeans e suéter!

Até que, para sua surpresa e felicidade o avião pousa em segurança! Agora, um estranho a conhece mais do que ninguém. Mas tudo bem afinal, ela nunca mais o veria na vida, né? Mas NÃO, pois ela descobre mais tarde que, o tal desconhecido americano é alguém com um cargo muito importante na Corporação Panther… E o que acontece depois? Só lendo para saber…! Hehehe

  (mais…)

Nenhum Comentário
02
Mar

Mamonas Assassinas – 15anos de saudade

Hora da Saudade

Há 15 anos atras, o Brasil e o mundo ficava triste, com a morte precosse dos integrantes dos Mamonas Assassinas.

Para quem não os conheceu (o que acho um pouco difícil, rs) foram uma banda brasileira de rock cômico. Misturavam no punk rock, diversos géneros populares, como: forró, sertenejo, pagode e música portuguesa.

Seu sucesso alem foi totalmente estrondoso. Com apenas um único disco lançado (em junho de 1995),  vendeu mais de 3 milhões de cópias no Brasil, sendo então premiado com Disco de Diamente. Mas, no auge do sucesso de apenas 7 meses, os integrantes da banda foram vítimas de um acidente aéreo fatal.

No inicio, Bento, Samuel e Sérgio  formaram o grupo Utopia, especializado em covers de grupos como Legião Urbana, Titãs e Rush. Em um show, em 1990, o público pediu para tocarem uma música dos Guns N’ Roses, e como não sabiam a letra, pediram a um espectador para ajudá-los. Alecsander Alves, conhecido como Dinho (apelido dado por sua avó, que o chamava assim por não conseguir pronunciar seu nome verdadeiro, voluntariou-se para cantar e provocou grandes risadas da platéia, com sua performance escrachada, garantindo o posto de vocalista da banda. Através de Dinho, entrou o último integrante, o tecladista Júlio Rasec.

O Utopia passou a apresentar-se na periferia de São Paulo, e lançou um disco que vendeu menos de 100 cópias. Aos poucos, os integrantes começaram a perceber que as palhaçadas e músicas de paródia eram mais bem recebidas pelo público do que os covers e as músicas sérias. Começaram introduzindo algumas parodias musicais, com receio da aceitação do público.

Após gravar um disco produzido por Rick Bonadio (apelidado pela banda de Creuzebek), os “Mamonas” (O logotipo da banda é uma inversão da logomarca da Volkswagen, colocada de ponta-cabeça. Um veículo da empresa alemã é citado na canção “Pelados em Santos”: a Volkswagen Brasília, e na canção “Lá vem o Alemão” a Volkswagen Kombi) saíram em imensa turnê, apresentando-se em programas como Jô Soares Onze e Meia, Domingo Legal (ambos no SBT), Domingão do Faustão, Xuxa Park (ambos na Rede Globo) e tocando cerca de 8 vezes por semana, com apresentações em 25 dos 27 estados brasileiros e ocasionais dois shows por dia. O cachê dos “Mamonas” tornou-se um dos mais caros do país, variando entre R$50 e 70 mil, e a EMI faturou cerca de R$80 milhões com a banda. Em certo período, a banda vendia 100 mil cópias a cada dois dias.

Os “Mamonas” preparavam uma carreira internacional, com partida para Portugal preparada para 3 de Março de 1996. Porém em 2 de Março, enquanto voltavam de um show em Brasília, o jatinho Learjet em que viajavam, prefixo LR-25D – PT-LSD, chocou-se contra a Serra da Cantareira, numa tentativa de arremeter vôo, matando todos que estavam no avião. O enterro, no dia 4 de Março, fora acompanhado por mais de 65 mil fãs. Na versão do Departamento de Aviação Civil (DAC) para explicar o acidente com o jatinho que causou a morte dos cinco integrantes do grupo Mamonas Assassinas na noite de 2 de março de 1996, em São Paulo. A 10 quilômetros do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, o piloto repetia, a pedido da torre de controle, o procedimento de aterrissagem. No entanto, em vez de fazer uma curva para a direita, virou o avião para a esquerda, chocando-se com a Serra da Cantareira.

Dinho, que completaria 25 anos dali a três dias, os irmãos Samuel (que completaria 23 anos no dia 11 de março) e Sérgio, Júlio e Bento, também morreram no acidente o piloto, o co-piloto e dois assistentes dos artistas, sendo que um deles se chamava Isaque Souto (apelido Shure Lambers), primo de Dinho, que era roadie responsável pela bateria de Sérgio,e o outro era Sérgio Saturnino Porto, mas conhecido pela produção como Reco, que era chamado também de anjo da guarda dos Mamonas pois a sua função era a de segurança do grupo.

Algumas curiosidades, ou coincidências: No dia do acidente, o tecladista Júlio Rasec, após arrumar seu cabelo, revelou, em vídeo gravado por seu cabeleireiro, que sonhou com uma queda do avião na noite anterior, como uma premonição do acidente; Dias antes do acidente, o baixista Samuel Reoli escreveu uma carta para a família, agradecendo a Deus e à família por tudo que ele viveu. A carta ficou guardada por meses até ser encontrada pelo pai de Samuel, que se emocionou ao encontrá-la; Em 1992, quando eram o Utopia, os integrantes tentaram tocar no Estádio Paschoal Thomeo (conhecido como Thomeozão), em Guarulhos, porém foi expulsa pelo dirigente do mesmo, que considerava que a banda nunca iria fazer sucesso devido ao nome (Utopia). Em Janeiro de 1996, porém, já como Mamonas, os cinco lotaram o estádio; O vocalista Dinho disse em um programa da MTV que o radar do avião tinha quebrado e que tinham consertado mas quebrou outra vez.O radar foi uma das principais causas do acidente.

E, mesmo nunca vindo cá em Portugal, são uma das bandas mais conhecidas e lembradas, até hoje.

Uma das músicas que mais gostava e que me faz lembrar bastade deles era Lá vem o alemão – “Você foi agora a coisa mais importante que já me aconteceu neste momento em toda a minha vida…” E a de vocês?

Nota: E hoje com 22anos é que percebo porque meus pais não gostavam muito que eu ouvisse “Sabão Crá-Crá”, rs

Beijos.

25 Comentários
!-- WP FOOTER -->