06
Out

#Critica: Selvagens

Cinema

Savages

Para derrotar um selvagem, quão selvagem você se tornaria? Se transformaria em um bicho-papão para punir aqueles que assombrar seus sonhos? No thriller narcótico Savages, o diretor Oliver Stone apresenta e, responde a essas perguntas em detalhe, explorando uma faceta do amor que está longe de conto de fadas…

Tudo começa no paraíso, mais precisamente em Laguna Beach na costa californiana dos EUA, onde dizem que Deus estacionou no sétimo dia, mas que foi “rebocado” no oitavo. Savages adiciona uma faísca, para o público que está familiarizado com os protagonistas e não com um triângulo amoroso que você nunca vai ver em uma comédia romântica.

A trama básica envolve um ex-Seal da Marinha Chon Taylor Kitsch e o botânico Ben Aaron Johnson que desenvolvem uma maconha com muito elevado THC, de sementes trazidas para os EUA do Afeganistão. Sua droga é o melhor, talvez no mundo, e essa é uma das razões de um cartel mexicano, dirigido por uma mulher, queira os tirar do mercado. Este dueto partilha uma amiga O, e juntos mantém incomum relacionamento a três. A maneira como eles lidam com o conflito é também interessante: Aaron é paz e amor, já Chon é o badass! E alguns eventos de mudam sua abordagem à violência e ameaças, isso tudo em nome do amor.

No geral, tanto o tema quanto o filme em si é extremamente forte, com personagens mais profundos do que normalmente existe no gênero narco-thriller. Taylor Kitsch tem cada vez menos características de John Carter mas com algo de Alex Hopper em Battleship e Aaron Johnson que está longe de ser o adolescente desajeitado que vimos em Kick-Ass. John Travolta faz uma aparição memorável porem limitada como um agente da DEA corrupto, mas suas cenas com Chon e Ben são o alívio cômico do filme. O tempo em tela é surpreendente dividido com o outro lado do conflito com o cartel de Elena Salma Hayek e seu capanga Lado Benicio Del Toro que é, sem dúvida repugnante e sinistro pois a cada vez que ele aparece na tela você realmente teme por quem estará prestes a ser torturado ou então abatido. Ele é de fato tão mau e tão perturbador carismático que você teme até mesmo o que ele pode fazer para os outros antagonistas e sim, está envolvido em quase todos os casos de violência terrível do filme com seu bigode desgrenhado, olhos perturbadores e seu corte de cabelo incrivelmente sensual hahaha fazem de Lado uma atuação memorável que é facilmente um dos melhores desempenhos da carreira de Del Toro.

Há muito mais uma exposição da direção de Oliver Stone em ação, onde você poderá escolher entre: amar ou odiar. Apesar de ser vendido como mais um thriller de ação, os tiros são intensos mas há muito mais de estudo dos personagens sob tenção do que perfurações e violência.

A linha da história de um excelente romance (sim, essa é mais uma adaptação literária) é trazido para a tela com de forma estranhamente bela e muitos elementos ali existentes poderiam facilmente se tornar seu próprio filme: uma exploração mais profunda do triângulo amoroso, um olhar para a aprovação e tragédias de Elena e ainda mais a ascensão do Lado

Falando de resoluções, estar filme trás um jogo de amor e ódio que curiosamente apresenta diferentes conclusões, que acarretam numa série de eventos discutíveis. Mas que se não tivessem sido explorados, não fariam sentido alem de fazer todos ponto fortes do filme se perderem.

Ao que parece, todos aqueles que povoam mundo Stone tem suas qualidades selvagens… Deu ainda um significado diferente para a palavra, um muito mais adequado para sua história de amor “errado”: ser selvagem representa apenas viver uma existência ao máximo, uma inversão do feroz e sem polimento.

Sim, vale a pena assisti-lo e tenho certeza que você não vai se arrepender se gostar de thrillers de suspense e não se importar com uma carga de violência. Não é um filme perfeito, mas recomendo para o suspense e tensão que Stone cria.

Então para resumir: A história é boa, imprevisível e não muito usual. Gostei do humor negro que a atravessa, e há personagens simpáticos em ambos os lados da batalha. Todos os atores são bem utilizados até mesmo Blake Lively, que está finalmente em um papel que se adapte a seu favor, como a garota califórnina e narradora da história. John Travolta é o policial torto e Salma a traficante bastante sombria e ao mesmo tempo divertida. Benicio é quem faz todo o tipo de trabalho sujo e os dois bons amigos que compartilham de tudo são bem interpretados por Taylor Kitsch e Johnson Aaron, que se encaixam perfeitamente nos papéis. A violência é explicita mas está bem inserida nas cenas… Você sabe quando ele está vindo e pode optar por fechar o seu olhos, ou não. Ambas as cenas de sexo e da violência tornar este filme direcionado para o público mais adulto. No geral, um bom enredo conduzido para um bom thriller.

Sua estreia aqui em Portugal foi no dia 06 de Setembro, e no Brasil em 05 de Outubro.

Beijos.

1 Comentário
09
Mar

Comer, Rezar, Amar

Filmes & Séries

E nessa semana, do dia internacional da mulher nada melhor do que ver esse filme #fofo

Let yourself go! Deixe-se ir!

★★★★½

Liz Gilbert Julia Roberts tinha tudo o que uma mulher moderna deve sonhar em ter um marido, uma casa, uma carreira bem-sucedida ainda sim, como muitas outras pessoas, ela está perdida, confusa e em busca do que ela realmente deseja na vida. Recentemente divorciada e num momento decisivo, Gilbert sai da zona de conforto, arriscando tudo para mudar sua vida, embarcando em uma jornada ao redor do mundo que se transforma em uma busca por auto-conhecimento. Em suas viagens, ela descobre o verdadeiro prazer da gastronomia na Itália; o poder da oração na Índia, e, finalmente e inesperadamente, a paz interior e equilíbrio de um verdadeiro amor em Bali.

Alguns dados técnicos:

título original: Eat, Pray, Love
lançamento: 2010
duração: 133 min
diretor: Ryan Murphy

Sinceramente, não consigo entender o por que de tantas críticas negatinas sobre esse filme… Ok, alguns personagens são apenas esboços mas Eat, Pray, Love levanta algumas questões séries, que discordo totalmente quando dizem que nessa adaptação do livro não tem. E sim, é um alimento para os olhos, coração e mente! Julia Roberts está maravilhosa no papel de Liz, uma mulher que tem um espaço vazio dentro de si o qual busca insassantemente para ser preenchido… E por conta disso, decide parar por um ano e fazer algo totalmente diferente: deixa a vida “normal” e movimentada para buscar o lado interior de seu mundo, fazendo as pazes consigo mesma, aproveitando a vida nas pequenas coisas as quais tornam a vida digna de ser vivida. Ela viaja para Roma e na Itália aprende como as coisas comuns na vida cotidiana como simplesmente comer pode realmente dar prazer, claro se você não deixar a culpa que o mundo moderno sugere. E também aprende que rir pode ser a cura para a alma. Ela vai também à Índia para fortalecer-se através da oração e se manter equilibrada. Podendo então ajudar as pessoas desinteressadamente e ser capaz de se sentir bem sobre isso. Por fim, ela vai para Bali e aprende como sentir e expressar isso é a coisa mais natural do mundo e que não é ruim quebrar algumas de suas regras em nome d o amor que te faz “sorrir com o seu fígado”. Resumindo, um filme inspirador com grande atuação, belas paisagens, e lindas emoções. Mas uma dica: o assista depois do jantar ou caso contrário, você vai sofrer! Hehehe 

Você sabia que…

… o filme foi baseado no best-seller autobiográfico de Elizabeth Gilbert, que leva o mesmo nome do livro Comer, Rezar, Amar o qual prova que existe mais de uma maneira de levar a vida e de viajar pelo mundo!

Beijos.

4 Comentários
17
Fev

O Amor e Outras Drogas

Filmes & Séries

Então é Carnaval… Mas, como essa semana também tivemos o Valentine’s Day, misturei esses essas duas datas, para então sugerir o filme dessa semana…

O amor que nasce, do que antes eram apenas #louquirinhas de um casal, hahaha

★★★★★

Jamie Jake Gyllenhaal é um vendedor que trabalha no cruel universo farmacêutico e usa seu charme tanto no trabalho quanto com as mulheres para se dar bem. Enquanto tenta bater o recorde de maior número de vendas, ele cruza seu caminho com Maggie Anne Hathaway, uma mulher de espírito livre que não quer se prender a ninguém, e ele tem uma surpresa. A evolução no relacionamento deles faz com se encontram sob influência de uma droga: o amor.

Alguns dados técnicos:

título original: Love and Other Drugs
lançamento: 2011
duração: 103 min
diretor: Edward Zwick

E esse filme foi sem sombra de dúvidas, uma ótima surpresa! E pelas mais variadas razões, como a química entre Gyllenhaal e Hathaway que é tão perfeita que temos a impressão que já os vimos trabalhando juntos muitas vezes; A história emocionante que leva uma mulher com uma grave doença, a encontrar um amor inesperado; E finalmente, posso dizer que está repleto de muita paixão, luxúria, cenas quentes e sensuais de amor e a abundância de sexo sem ser vulgar! Então, todas as razões que citei, podem ser resumidas em uma espécie de romance à moda antiga, numa história de amor que toca as emoções ao modo que conseguimos sentir as dores, confiança e o amor do casal crescendo, junto com a doença. Ainda assim, o sexo em si é ofuscado pela mistira dos ingredientes, deixando um efeito colateral feliz… E falando nisso, espero que as pessoas se sintam à vontade com a cena mais picantes, porque elas dão para a história, algo mais… Pois o final, funciona melhor do que outros do mesmo gênero e por isso merece ser assistido!

Love & Other Drugs é um bom filme, e tocas emoções te deixando feliz sem qualquer efeito secundário se não o amor, alguns suspiros e lagrimas no final… Hehehe 

Você sabia…

…que o filme foi baseado em um livro chamado Hard Venda: The Evolution of a Salesman Viagra escrito  por um ex-representante da Pfizer. Dizem ser apenas um “ponto de partida”, já que no livro não há interesses amorosos. O autor Jamie Reidy, disse que deixou tudo fora do livro, pois pensou que sua mãe iria ler.

Beijos.

6 Comentários
25
Nov

Querido John

Filmes & Séries

Sexta-feira é dia de filminho, e a sugestão de hoje é…

★★★½☆

Baseado no best-seller de Nicholas Sparks, autor de “As Palavras que Nunca te Direi” e “O Diário da Nossa Paixão”, e realizado por Lasse Hallstrom (“Chocolate e “As Regras da Casa”), “Juntos ao Luar” é um inesquecível conto de amor e sacrifício. Savannah Curtis (Amanda Seyfried) encontra-se de férias escolares quando conhece John Tyree (Channing Tatum), um soldado de regresso a casa em licença. Para o jovem, é praticamente amor à primeira vista. Durante os sete longos anos que se seguem, as cartas de amor enviadas por Savannah foram das poucas coisas que o fizeram continuar, mas essa carinhosa e sentida correspondência irá levar a consequências que nem John nem o seu amor poderiam alguma vez ter previsto.

Alguns dados técnicos:

título original: Dear John
lançamento: 
2010
duração: 105 min
diretor: Lasse Hallstrom

Vou tentar ser curta e doce, como as duas semanas que os dois personagens passaram juntos antes de seus mundos desabarem, hehehe

Se você leu o livro, baixe suas expectativas. Mas caso ainda não tenha lido… Bem, ai sim você pode esperar um pouco mais sobre o filme!

Li e me emocionei muito com “Dear John de Nicholas Sparks” mas, infelizmente o que faz a ser diferente de todas as outras tantas histórias de amor foi tirado do filme… Ok, o principal foi totalmente evidenciado, a clássica história de amor trágico onde o relacionamento é aquele que todos querem, mas por ironia do destino ninguém nunca fica junto e simplesmente continuam na vida um do outro, mesmo que o coração de ambos tenha caindo aos pedaços.

No início, era um pouco aborrecido, pois estavam tentando construir os personagens e estabelecer uma linha na história, mas penso que não precisava de tanta enfaze já que eram tão claros desde o primeiro momento. Posso dizer que, não sei se teria entendido o que estava acontecendo, se ainda não tivesse lido… Cenas foram levadas às pressas, principalmente as mais fofas, que foram as semanas onde os dois personagens principais se apaixonaram. Fora isso, claro, haviam cenas que eram doces e engraçadas, mesmo como nos é apresentado por Nick.

Certamente a melhor coisa sobre o filme, foi que realmente se esforçaram para ser um filme comovente e forte, e por isso mesmo que por poucos momentos, fui movida pelos sentimentos que Channing e Amanda expressaram em seus personagens, nas suas performances foram juntos.

O cenário é absolutamente lindo, as músicas também encantadoras…

Mas preciso admitir que Querido John não é nada de especial. Mesmo não sendo ruim, e eu recomendo que não o vejam com grandes expectativas, pois irão se desapontar… Provavelmente não irei vê-lo novamente, mas fica a dica para quem assim como eu gosta de filmes românticos, hehehe

 

Você sabia que…

…o personagem de Alan foi inspirado pelo escritor Nicholas Sparks em seu filho, que sofre de Síndrome de Asperger, uma forma de autismo.

Beijos.

2 Comentários
13
Nov

Reviews | American Horror Story – Parte 1

Filmes & Séries

E agora, minha série preferida! E com certeza para aqueles que gostam do gênero como eu, também será…

American Horror Story

Dos criadores de Nip/Tuck e Glee, a sombría série é estrelada por Connie Britton e Dylan McDermott, além de contar com Jessica Lange e Denis O’Hare em seu elenco. A série mistura drama e terror e descrito como um thriller psicosexual conta a história da família Harmon: Vivien (Britton), Ben (McDermott) e a filha, Violet (Taissa Farmiga). Como toda família, eles têm muitos problemas e decidem se mudam para uma nova cidade como forma de lidar com o adultério cometido por Ben. Diferente das normais, a casa que acabaram de mudar, é assombrada por figuras demoníacas, que podem causar até alucinações, conhecidas por não só assustar as pessoas, mas também devorá-las.

 

Vamos então aos episódios?

 

Review | American Horror Story, 1×01: Pilot

Piloto 

Spoiler #detect

A tentativa da família Harmon de Boston a Los Angeles para escapar seu passado doloroso, mas seus problemas estão longe de terminar… O psiquiatra Ben luta para recuperar sua a confiança de sua esposa, depois que ela o flagrou na cama com uma mulher mais jovem. Ainda se recupera de um aborto recente, Vivien começa a sentir algo de errado com a casa ao lidar com as novas e intrusas vizinhas Constance e sua filha Adelaide. Ao investigar o sótão da casa, o casal encontrar um full-length leather “gimp” terno que eles pensam pertencer a um casal gay que viveu na casa antes deles. Violet começa em uma nova escola e começa a ser aterrorizada por um grupo de meninas. Ben atende seus pacientes em sua casa e um deles, um menino possivelmente psicóticos, chamado Tate inicia uma relação com Violet, que vai longe demais ao tentar ajuda-la com seu problema de bullying. Vivien recontrata a idosa governanta Moira, que para Ben paerce ser uma jovem sedutora. Ben é abordado por Larry, ex-morador da casa e terrivelmente queimado, que matou sua família inteira alegando que a casa o convenceu a fazer. Larry avisa Ben que se ele não tirar sua família de casa todos eles vão morrer. Mais tarde, Vivien é abordada e seduzida pelo Homem Borracha, quem ela acredita ser Ben no terno gimp. Vivien descobre que ela está grávida. Moira surpreende Constance roubando jóias Vivien e Constance dá-lhe uma advertência enigmática: “Não me faça te matar de novo”

Essas e outras, no meu post no SuperNovo  ;)

 

Review | American Horror Story, 1×02: Home Invision

Invasão da casa

Spoiler #detect

Após o encontro com um novo paciente, que é fascinado por “a casa assassinato” Bianca, Ben recebe um telefonema de sua ex-amante, Hayden que lhe diz que está grávida e precisa de seu apoio ter um aborto. Ben mente para Vivien para resolver seu passado. Constance traz bolinhos de xarope de ipeca e insiste que quer dá-los a Violet pessoalmente, como um presente de desculpas pelas invasões de Adelaide na casa dos Harmon. Ela sente que Vivien está grávida, e ela confessa seus medos de que algo sobre a criança não está certo. Constance assegura que seu bebê está bem, mas revela que Adelaide é uma dos quatro filhos que ela deu à luz, e todos deformados, de alguma forma com a exceção de um, que morreu. Quando Vivien traz o queque para Violet, ambas entrar em uma discussão. De repente, um trio de entusiastas de Serial Killers liderado por Bianca, invade a casa, a fim de reencenar o assassinato brutal de uma irmã do círculo estudantil feminino que aconteceu naquela mesma noite em 1960 e matou Maria, e uma enfermeira casa da irmandade. Violet consegue correr até Tate, que lhe diz que ela precisa atrair os três para o porão e mesmo sendo recapturado, convence a obcecada Fiona que a banheira original usado em afogamento Gladys foi levado para o porão. O terceiro intruso fica com Vivien enquanto Bianca come um bolinho de ipeca. Tate mata Bianca com um machado. Na cave, Fiona perde de vista Violet e Tate a espera em pé ao lado da banheira com Gladys. Enquanto isso, Vivien luta com o intruso e consegue fugir da casa com Violet. O intruso procura por Fiona no porão, e acaba por ter sua garganta cortada junto à Fiona. Constance entra no porão ao lado de Tate e Moira e Tate explica que Gladys e Maria mataram os dois. Os três concordam em se livrar dos corpos, revelando que eles querem continuar tratando de Tate com Bem. Ao ouvir do que aconteceu, Ben deixa Hayden na clínica e corre para casa. Ele fica chocado em saber que Tate estava inexplicavelmente na casa durante o ataque, apenas para ser salvo Violet. Vivien resolve vender a casa.

Essas e outras, no meu post no SuperNovo  ;)

 

Review | American Horror Story, 1×03: Murder House

Casa assassina

Spoiler #detect

A família Harmon é forçada a ficar na casa, por ter gasto todas suas economias nela. Moira continua assediando sexualmente Ben e ele tenta demiti-la. Moira convence Vivien de que Ben que a assedia e ameaça processá-los se a demitirem. Ben começa a desmaiar e acordar no quintal sem nenhuma lembrança de suas ações, inclusive cavando um buraco no gramado. Apesar de ser ridicularizado por Constance, que atirou e matou o seu marido e Moira na casa em 1983, Moira fica frustrada porque estar “presa” na casa. Hayden aparece de surpresa na porta da casa de Ben, e decide manter o bebê e mudando-se para perto dele, decidida a contar Vivien e continuar o seu caso. Enquanto na cidade, Vivien começa a sangrar depois de ouvir que os donos originais da casa: um cirurgião enlouquecido, Charles Montgomery e sua esposa Nora, que faziam abortos ilegais em seu porão, até que seu casamento amargo terminou em assassinato. No consultório do médico, Vivien explica que o sangramento parou quando ela voltou para a casa e que eles planejam se mudar. A médica diz que o bebê está bem, mas adverte a mudança, porque o stress pode causar um aborto espontâneo. Pensando em Hayden, Ben desmaia, e a médica o faz exames de sangue e mais tarde, o informa que encontrou vestígios de um opiáceo que provoca perda de memória. Vivien tenta vender a casa e, sem saber, interage com o fantasma da esposa do cirurgião. Mais tarde, Ben acusa Moira do envenenamento seu café com os opiáceos. Hayden aparece, tão atordoante e frenética que Ben a ignorou. E ao leva-la para fora da casa para acalmá-la, Larry aparece e a mata com uma pá, explicando que ele fez isso para ajudar Ben e impedi-lo de se tornar um assassino. Ben fica perturbado, mas Larry o convence que se livrar do corpo é a melhor opção. Larry acaba cavando o buraco, no fundo ao qual permanece Moira e enterra Hayden sobre ele. Ben constrói um gazebo sobre o local. Assistindo, Constance diz a Moira, que agora ela está presa ali para sempre. 

Essas e outras, no meu post no SuperNovo  ;)

Já assistiram? O que acharam?? Hehehe

Beijos.

5 Comentários
!-- WP FOOTER -->