16
Fev

#Critica A Invenção de Hugo Cabret

Cinema

“Se você já se perguntou de onde seus sonhos vêm, basta olhar em volta. Este é o lugar onde eles são feitos” 

Acabo de ver o filme e alem de encantada, fiquei totalmente surpresa! Confesso que os trailers não me impressionaram muito tanto que antes de começar a sessão, comentei não estar com grande expectativas… E sim, estava absolutamente errada!

Eu não vou contar nada fora do que já vimos, pois fico com medo de diminuir a magia… Mas ao mesmo tempo, espero convencer o máximo de pessoas a assistir ao filme… Hehehe

Não há apenas coração, nem só mágica, saber ou prazer… Desde a primeira cena, você consegue ter uma noção, de como Scorsese é capaz de explorar o charme e a essência do 3D que hoje em dia é tão facilmente perdida em meio à abundância de filmes que se vende com o rótulo 3D. Cada objeto único se torna parte da história, e o público se imerso nesse mundo maravilhoso!

Scorsese nos leva para um outro tempo,  numa estação de comboio trem em Paris. O ambiente é o cotidiano de Hugo que mesmo parecendo quase normal para ele, para nós é um mundo totalmente diferente e simplesmente deslumbrante… É uma história tão fantástica e genuína, onde vemos o sonho de um menino à vida e ainda uma carta de amor ao cinema!

O elenco é maravilhoso: Asa Butterfield como o protagonista principal, tem olhos tão expressivos que você sente a dor quando ele muito frequentemente pensa em seu pai (interpretado por Jude Law). Ele faz uma performance incrível e tão natural que realmente chega a dar vida ao personagem complexo, perdido e triste. Chloe Moretz está muito bem como sua companheira de aventuras, e é outra jovem artista que nunca nos deixa de surpreender. E claro, temos também: Ben Kingsley, Sacha Baron Cohen, Helen McCrory, entre outros, para completar o elenco de personagens…

Este filme tem tudo: imagens lindas, super e talentoso elenco, magia, amor, coração, sentimento, emoção… Tem algo para todas as idades, e é realmente especial. Se você gosta de aventura, mistério, maravilha, e tem uma imaginação brilhante, você certamente irá se apaixonar por este filme!

E assim como diz Georges Méliès: “Venha sonhar comigo”. 

Então para resumir: Algumas pessoas podem achar “Hugo” chato e doloroso, já outras ficam hipnotizadas e inspiradas pela história… Em suma, se você preferir a versão da Disney da história da Pequena Sereia, certamente vai se decepcionar. Por outro lado, se você gosta da atenção aos detalhes e os finais não inteiramente felizes dos clássicos contos de Hans Christian Andersen tais como O soldadinho de chumbo, O patinho feio e A roupa nova do Imperador, provavelmente você vai perceber que Hugo é um filme cativante e difícil de descrever em poucas palavras… E que realmente, vive em muito mais do que três dimensões!

E se alem de tudo, você for um fã de cinema, então você vai adorar ainda mais! Afinal, quem é o fã de cinema? É a pessoa que aprecia filmes para alem do valor de entretenimento deles. Os filmes da forma como são feitos, as diferentes camadas de áudio, imagens, emoções, símbolos, fotografia, o destaque apoio, a maneira às vezes clichê dos movimentos que você pode prever, mas o ama de qualquer maneira…

Então, se você ama o cinema e magia, eu recomendo esta obra-prima. Hugo é realmente algo especial…

Sua estréia aqui em Portugal foi no dia 16 de fevereiro, e no Brasil em 17 de fevereiro. 

Beijos.

6 Comentários
14
Jan

#Critica Sherlock Holmes 2

Cinema

Sherlock Holmes: O Jogo de Sombras

Normalmente, se uma sequência aparece é lançada dois anos após o original, teríamos uma boa razão para as baixas expectativas. Mas, cá voltamos e com Robert Downey Jr e Jude Law reprise seus papéis como Sherlock Holmes e Dr. Watson, repetindo o modelo de sucesso fornecido pelo original, e que é certo para manter os fãs felizes…

Guy Ritchie se mostrou bastante um diretor elegante e deixa Sherlock Holmes, projetado mais como um filme de ação do que de um mistério… O primeiro filme mostra muitas coisas estranhas, pois vemos um novo Holmes, que se mostra um lutador com uma mente brilhante. E é sem sombra de dúvidas, uma das grandes inovações do personagem!

Neste novo filme, as coisas ficam ainda maiores, e a ação se mostra mais presente do que nunca. O filme ainda tem o cérebro, mas ação mesmo sendo boa chega em certa hora, a se perder no foco para a trama principal.

Cada aspecto da direção de arte deve ser reconhecido como o melhor dos melhores, pois acaba realmente por nos transportar de volta para os primeiros dias do século XX, nos fazendo sentir realmente no meio das capitais muito poluídas da Europa, e a fotografia requintada mergulhando-nos no mundo de sombras, que fazia parte da sociedade na época. Nos levando através dos estudos filosóficos de natureza auto-destrutiva que o homem é, e como o mal de lucro gênios da disposição trágica do homem.

Holmes e Watson são verdadeiramente dois dos personagens mais inteligente e fascinante da literatura, e se não fossem uma equipe, eles poderiam ter páreo um ao outro e Moriarty é com certeza, o vilão perfeito.

A ação presente é maior aqui do que no primeiro, pois vai alem de apenas as artes marciais de combate. Como uma guerra entre gato e rato, a perseguição segue através de algumas belas paisagens e termina com a solução final, uma jogada de xadrez tão diabólica, que poderia ter um clichê incrível, com um verdadeiro fim aberto, ou não, dependendo de quão cuidadosamente você revisou as pistas ao longo do caminho que Ritchie vai nos monstrando sutilmente, passo à passo. e ainda assim impressionantemente emocionante

Os melhores momentos ficam para a relação de Holmes e Watson. Robert Downey Jr. e Jude Law têm uma química fascinante que ilumina filme! Guy Ritchie fez uma jogada inteligente para essas cenas. Dando muita força e emoção. As performances são boas, como sempre, pois como já disse, Downey Jr. e Law são ambos divertidissimos juntos…

Então para resumir: Se esse é um bom filme? Elementar meu caro Watson… Mesmo se você não for um fã, os conjuntos fabulosos de filmagem em vários locais do vão mantê-lo interessado, mesmo que seja apenas para você se assustar nas grandes explosões, hehehe

Sua estréia aqui em Portugal foi no dia 05 de janeiro, e no Brasil em 13 de janeiro

Beijos.

10 Comentários
23
Out

#Critica, Contágio

Cinema

Porque nada se propaga como o medo!

Este filme é um bem realista! Conta o rápido progresso de um vírus letal, transmissível pelo ar, que mata em poucos dias. Enquanto a comunidade médica mundial inicia uma corrida para encontrar a cura e controlar o pânico que se espalha mais rápido do que o próprio vírus, as pessoas comuns lutam para sobreviver em uma sociedade que está desmoronando.

Sem um personagem principal, já que no processo da sua loucura em que não existem heróis e vilões, mostra os diferentes efeitos de uma epidemia mundial.

Retrata uma pequena aldeia chinesa que por estar perto da fonte do vírus, luta por sobrevivência; Um blogueiro equivocado que acaba por incitar a violência e o surto de pânico generalizado; Um pai recem viuvo, tentando proteger sua filha única. O grupo de controle de doença em uma incansável luta contra o tempo para rastrear o vírus e contê-lo.

Traz também um lado educacional, pois passamos a conhecer como um vírus se propaga, qual a reação da sociedade a uma pandemia e como as pessoas reagem à ela. E ao estarem isoladas, a quebra social, o pânico e tumulto se instalam. Uma vez que o contágio começa algumas pessoas podem ter imunidade, enquanto outros não tem tamanha sorte…

Pois algo simples pode causar um novo vírus mutante que se espalhar rapidamente entre humanos não apenas pelo contato, mas também por conta da facilidade de viagens aéreas.

Os “cortes” entre diferentes linhas da história impedem de ficar entediar e nada do que acontece parece ser irreal… É bem intenso e uma assustadora demostração do que realmente poderia ter acontecido se a gripe A não fosse contida a tempo.

Então para resumir: É um filme sólido, que oferece argumentos suficientemente instigantes de que, apesar de todos os avanços científicos a humanidade ainda está impotente na prevenção de novos surtos virais. E até mesmo numa aparente e bem organizada sociedade facilmente se render ao caos da batalha final, na luta pela sobrevivência individual, onde todos são alimentados por notícias imparáveis, na qual o sensacionalismo se torna ianda mais lucrativo, em uma inevitável dependência do apoio mútuo já que o dinheiro e poder já não mais se aplicam na maioria dos casos,  mas sim as atividades ilícitas e entidades governamentais…

Sua estréia aqui em Portugal foi no dia 20 de outubro, e no Brasil será em 28 de outubro. 

Beijos.

5 Comentários
!-- WP FOOTER -->