30
Mai

O pai da noiva!

Músicas Favoritas Something

Como hoje é quase o ultimo dia de maio, o mês das noivas…

Capa

Segundo diz a música Daughters, de John Mayer: “Fathers be good to your daughters, Daughters will love like you do…” Então, como as garotas irão amar como os pais as amaram, trago um vídeo-música-discurso incrivelmente fofo e especial…

Então mais uma vez, aperte o play e venham chorar comigo! Hehehe

2

Como sei que nem todo mundo sabe inglês, traduzi o vídeo para que todos possam entender e se derreter comigo! Hehehe

Então, em texto fica mais ou menos assim:

(mais…)

Nenhum Comentário
08
Mai

Reação dos noivos no casamento, ao ver suas noivas pela primeira vez!

Fofuras

Maio é o mês especialmente dedicado as noivas… Mas sem eles, nada acontece!

Então, trago hoje aqui no #jehjeh um momento de emoções absolutamente reais e espontâneas da primeira vez em que os noivos veem suas noivas no dia do casamento…

Aperte o Play e venha chorar comigo! Hehehe

(mais…)

1 Comentário
11
Fev

Jello cookies: Mikey e Minnie Mouse

Princesa do Lar

Dia dos namorados chegando… E existe casal mais fofo que represente a data, se não o Micky e a Minnie?

Então por isso, trago uma receitinha incrível… Biscoitinhos de gelatina, estilo o casal ratinho! Hehehe

 

Para a massa (base) dos biscoitos:

Ingredientes:

3,5 xícaras de farinha,
1 colher (chá) de fermento em pó,
1,5 xícaras de manteiga com sal amolecida,
1 xícara de açúcar,
1 ovo,
1 colher (chá) de baunilha,
4 pacotes de gelatina (dos sabores que você mais gostar).

Modo de fazer: Bata a manteiga em uma batedeira até ficar cremosa; Adicione o açúcar e bata até formar um creme; A parte, bata o ovo e a baunilha e acrescente na mistura da batedeira; Misture a farinha e o fermento em uma tigela separada e gradualmente, acrescente a mistura.

Divida a massa em duas partes….

 

Para o Mickey:

Modo de fazer: Polvilhe 2 pacotes de gelatina (de morango ou cereja) em uma parte da massa; Amasse e acrescente algumas gotinhas de corante vermelho, para que a massa fique mais vibrante; Faça uma bola em seguida, abra a massa com a ajuda de um pedaço de papel filme; Com um cortador de biscoitos em forma de coração, corte a massa e os coloque em uma forma, previamente revestida com uma folha de papel manteiga; Leve os biscoitos para a geladeira, por aproximadamente 30 minutos; Asse os biscoitos por cerca de 10 minutinhos, no forno pré-aquecido; E deixe-os esfriar por cerca de 1 hora. Enquanto isso, derreta uma barra de chocolate ao leite no microondas (de 30 em 30 segundos, para não queimar o chocolate) e assim que os biscoitos estiverem frios, mergulhar o topo de cada coração no chocolate (se necessário, raspe a parte de trás do biscoito contra a borda da tigela para remover qualquer excesso) e os coloque em uma bandeja, forrada com de papel alumínio; Para o toque final, pingue duas gotinhas de chocolate na parte debaixo do coração, e cole dois Tic-Tacs, para fazer os botões do Mickey.

 

Para a Minnie:

Modo de fazer: Com a outra parte da massa (crua), faça uma bola em seguida, abra a massa com a ajuda de um pedaço de papel filme; Com um cortador de biscoitos em forma de coração, corte a massa e os coloque em uma forma, previamente revestida com uma folha de papel manteiga; Leve os biscoitos para a geladeira, por aproximadamente 30 minutos; Asse os biscoitos por cerca de 10 minutinhos, no forno pré-aquecido; E deixe-os esfriar por cerca de 1 hora. Prepare a cobertura dos biscoitos peneirando o açúcar em pó em uma tigela pequena e adicione o leite; Acrescente a glicose de milho e mexa bem, até ficar uma mistura homogenia.  Em um saco plástico, coloque a mistura da cobertura, junte gotinhas de corante (vermelho) e em outro, corante branco até obter o tom desejado e corte a pontinha do saco. Antes de decorar os biscoitos, cubra uma forma também com papel manteiga; Cubra um biscoito de cada vez, primeiro com o glecê vermelho e com o branco, fazendo apenas pinguinhos.

Se você não tiver habilidades, a dica é treinar antes de cobrir os biscoitinhos em uma folha de papel.

 

Happy Valentine’s day <3

Beijos.

1 Comentário
19
Jan

E cada geração tem o “Arquivo X” que merece…

Filmes & Séries Something

Ainda não contei aqui no #jehjeh mas, amava Arquivo X!

Lembro que esperava ansiosa a chegada de sexta-feira para assistir e, ficar morrendo de medo dos episódios… Sim, tinha muito medo, mas relevem era ainda uma criança nessa época! Hehehe

(mais…)

Nenhum Comentário
08
Abr

Kurt Cobain – 17 anos de muitos mistérios

Músicas Favoritas Polêmica

“As maiores loucuras são as mais sensatas alegrias, pois tudo que fizermos hoje ficará na memória daqueles que um dia sonharão em ser como nós: Loucos, porém, FELIZES…”

Acho que é impossível falar de Rock, sem ao menos citar a banda Nirvana, e seu polêmico vocalista, Kurt Cobain, o “porta-voz” de uma geração e encontrou o sucesso, popularizando um sub gênero do rock alternativo chamado Grunge.

Filho de pais separados, os quais passaram a encontrar novos parceiros após o divórcio; detalhe esse que marcou profundamente sua vida, deixando marcas. Segundo ele em uma entrevista em 1993: “Lembro-me envergonhado, por alguma razão. Eu tinha vergonha dos meus pais. Eu não poderia enfrentar alguns dos meus amigos na escola mais, porque eu desesperadamente queria ter o clássico, você sabe, a família típica. Mãe, pai. Eu queria a segurança, assim eu me ressenti com meus pais por alguns anos por causa disso”.


Foi viver então com a “nova” familia do pai. Cobain gostava de sua madrasta a princípio, pois lhe dava a atenção materna que ele desejava. Porem isso logo mudou… Por ser filho único, queria receber toda a atenção e não dividi-la com seus “novos” irmãos; por isso então, começou a expressar seu ressentimento com a madrasta.

E sua mãe, começou a namorar um homem que a abusava, tendo Kurt inclusive, testemunhado  violência doméstica contra ela.

Enquanto isso, sua personalidade de continuou a mudar, praticando inclusive, bullying contra outro menino na escola. Eventualmente, seu pai o levou a um terapeuta, que concluiu que estava precisando de uma única família. Ambos os lados da família tentaram se unir, porem sem sucesso.

A mãe de Cobain concedeu a custódia total do filho a seu pai. Mas, por sua constante rebeldia adolescente para seu pai, Cobain foi colocado sob os cuidados de seus diversos amigos e familiares.

Enquanto convivia com a família cristã do seu amigo Jesse Reed, Cobain se tornou um devoto da igreja cristã e a frequentava regularmente. Mas, renunciou ao cristianismo durante o início da adolescência, engajando-se em o que seria descrito como discursos “anti-Deus”. A música “Lithium” é sobre a sua experiência de vida com a família de Reed.


Porem, a religião continuava a desempenhar um papel importante na vida pessoal e em suas crenças. Costumava levar imagens cristãs em seu trabalho e manteve um interesse constante no jainismo e na filosofia budista.
Tanto que, o nome da banda Nirvana foi tirado do conceito budista, que Cobain descreveu como “a liberdade da dor, do sofrimento e do mundo externo”, que em paralelo com a ética é a ideologia punk rock.

Referia a si mesmo tanto como um budista quanto jainista durante os diferentes pontos de sua vida, inclusive através assisitindo documentários de televisão tarde da noite sobre os dois assuntos.

Cobain fez amizade com um aluno homossexual na escola, às vezes sofrendo bullying de estudantes homofóbicos que concluiam que Cobain também era gay. Em uma entrevista de 1993, afirmou que era gay “em espírito” e que “provavelmente poderia ser bissexual”.
Afirmou também que ele usou um spray para pintar “Deus é Gay” em picapes na área de Aberdeen. No entanto, os registros da polícia de Aberdeen mostra que a frase que resultou em sua prisão foi na realidade “Ain’t got no how watchamacallit”.  Em um de seus diários pessoais disse: “eu não sou gay, embora eu desejasse ser, só para irritar esses homofóbicos”

Durante o segundo semestre do seu segundo ano, Cobain passou a viver com sua mãe e duas semanas antes da formatura, ele saiu da escola depois de perceber que ela não tinha créditos suficientes para pós-graduação.
Sua mãe então lhe deu uma escolha: encontrar um emprego ou sair; Mas, depois de uma semana, embalou suas roupas e outros pertences em caixas de mudança e foi banido da casa por sua mãe, se mantendo em casa de amigos ou por vezes, se escondendo no porão da casa de sua mãe.

Afirmou que durante os períodos de tempo sem-teto, vivia debaixo de uma ponte sobre o Rio Wishkah, uma experiência que inspirou a faixa “Something in the Way” do álbum Nevermind.

No final de 1986, pela primeira vez, mudou-se para um apartamento e pagava seu aluguel, trabalhando em um resort em Aberdeen. Durante este período, viajou com frequência, e durante suas visitas a Olympia, serelacionou com Tracy Marander, que supostamente foi o tema da música “About a Girl”, e está listado nos créditos de fotos no álbum Bleach.

Com o fim do relacionamento e tempos mais tarde, conheceu Courtney Love, precisamente em 12 de janeiro de 1990, numa discoteca em Portland; quando os dois ainda tinham bandas de rock underground. Love tentava se aproximar, mas Cobain não corespondia, á principio.
No início de seu namoro, Cobain não foi a encontros e ignorou os avanços de Love porque ele não tinha certeza se queria um relacionamento. Chegou a dizer: “Eu estava determinado a ser um solteirão por alguns meses […] Mas eu sabia que eu gostava tanto de Courtney que era uma luta muito difícil ficar longe dela por tantos meses”. Courtney Love o viu pela primeira vez uma performance em 1989 em um show em Portland, Oregon; se falaram brevemente após o show e Love logo se apaixonou por ele. No outono de 1991, os dois foram vistos muitas vezes juntos e ligados, através do uso de drogas.

Na época de uma das perfomance do Nirvana para um no programa de TV, em 1992, Love descobriu que ela estava grávida de Cobain. Em 24 de fevereiro de 1992, poucos dias após o término da turnê do Nirvana, se casaram na praia de Waikiki, no Havaí.
Love usou um vestido de cetim e renda, que tinha sido da atriz Frances Farmer, e Cobain usava um pijama verde, porque ele tinha tido “muita preguiça em vestir um smoking”.

Em entrevista, Love revelou a oposição ao casamento de diversas pessoas: “Kim Gordon disse: “Se você se casar com ele sua vida não vai acontecer. Ele vai destruir a sua vida!” Mas eu disse: “Seja como for, eu o amo, e quero estar com ele!… Não foi culpa dele. Ele não estava tentando fazer isso.”. Semanas depois, Cobain disse em entrevista que “nos últimos dois meses fiquei noivo e minha atitude mudou drasticamente. Eu não posso acreditar o quanto estou feliz. Às vezes até me esqueço que estou em uma banda, eu estou tão cego pelo amor. Eu sei que soa constrangedor, mas é verdade. Eu poderia desistir da banda agora mesmo. Não importa, mas estou sob contrato.”

Em 18 de agosto, a filha do casal, Frances Bean Cobain nasceu.

Em um artigo de 1992, Love admitiu ter usado heroína durante a gravidez sem saber. Love afirmou que a revista tinha feito uma citação errada, mas o caso gerou controvérsia para o casal. Embora o romance de Cobain e Love sempre tenha sido uma atração pela mídia, eles viram-se perseguidos por repórteres de tablóides depois que o artigo foi publicado, muitos querendo saber se Frances era viciada em drogas desde o nascimento.
O Los Angeles County Department of Children’s Services chamou Cobain à corte, alegando que pelo uso de drogas, o casal se tornou pais inaptos. Com duas semanas de idade, a guarda de Frances foi transferida para a irmã de Courtney, Jamie, por várias semanas até que o casal obteve a custódia em um acordo de troca, onde se submeteriam a exames de urina e visitas regulares a partir de um assistente social. Depois de meses de disputas judiciais, a custódia total da filha foi finalmente concedida.

Após uma parada da turnê na Alemanha, em  1994, Cobain foi diagnosticado com bronquite e laringite. Ele viajou para Roma no dia seguinte para tratamento médico, e encontrou com sua esposa em 3 de março. Na manhã seguinte, quando Love acorda, percebe que Cobain teve uma overdose graças a uma combinação de champanhe e Rohypnol. Cobain foi imediatamente levado para o hospital, e passou o resto do dia inconsciente. Após cinco dias no hospital, Cobain foi liberado e voltou para Seattle. Love disse que o incidente foi a primeira tentativa de suicídio de seu marido. Em 18 de março, Love telefona para a policia para informá-la que Kurt era um suicida e que tinha se trancado em um quarto com uma arma. A polícia chegou e confiscou várias armas e uma garrafa e pílulas; ele que insistiu que não era um suicida e que tinha se trancado no quarto para esconder-se de Love.
Interrogada pela polícia, Love disse que Cobain nunca tinha mencionado que ele era um suicida e que nunca tinha o visto com uma arma.

Love consegue organizar uma intervenção sobre o uso de drogas de Kurt, no dia 25 de março. As dez pessoas envolvidas na intervenção incluíam amigos do músico, executivos da gravadora, e um dos amigos mais íntimos de Kurt, Dylan Carlson. A intervenção não teve sucesso inicialmente, com uma explosão de raiva, insultos e desprezo de Cobain sob os participantes, logo depois, o músico tranca-se no quarto do andar de cima.
No entanto, até ao final do dia, Cobain tinha concordado em submeter-se a um programa de desintoxicação.Chegou ao Centro de Recuperação, 30 de março. Os funcionários do estabelecimento não sabiam do histórico depressivo de Kurt e de suas tentativas anteriores de suicídio. Quando visitado por amigos, não havia nenhuma indicação para eles de que Cobain estava em qualquer tipo de estado negativo ou suicida. Cobain tinha passado o dia conversando com seus conselheiros sobre o seu vício de drogas e problemas pessoais, e brincou com sua filha Frances durante sua visita, o último dia que ela veria seu pai.

Na noite seguinte, Kurt saiu para fumar e, em seguida, pulou um muro de seis metros de altura para deixar a instalação (do qual ele brincou no início do dia que seria estúpido tentar pular). Ele pegou um táxi para o aeroporto de Los Angeles e voou de volta para Seattle, vôo este onde estava sentado ao lado de Duff McKagan do Guns N’ Roses. Mesmo após as constantes desavensas entre Nirvana e Guns, e mesmo pessoal de Cobain à Axl Rose, Kurt Cobain “parecia feliz” em ver McKagan que, mais tarde disse saber “com todos os meus instintos que algo estava errado”.

Ao longo dos dias 2 de abril e 3 de abril, Cobain foi visto em diversas localidades ao redor de Seattle, mas a maioria de seus amigos e familiares não tinham conhecimento de seu paradeiro. Ele não foi visto em 4 de abril. Em 3 de abril, Love contactou um detetive privado, o contrando para encontrar Cobain. Em 7 de abril, em meio a rumores Nirvana iria se separar, a banda saiu do festival de música anual de Lollapalooza.

Em 8 de abril de 1994, o corpo de Cobain foi descoberto em sua casa, por um eletricista que tinha chegado para instalar um sistema de segurança. Apesar de uma pequena quantidade de sangue que saia da orelha de Cobain, o eletricista relatou não ter visto qualquer sinal visível de trauma e, inicialmente, acreditava que Cobain estava dormindo, até ver a arma apontanda para o queixo. Uma nota de suicídio foi encontrada, dirigida ao amigo imaginário de infância de Cobain, chamado “Boddah”, que dizia em parte, “Eu não tenho sentido a excitação de ouvir, bem como criar música, junto com que realmente escrevo… por muitos anos agora”.
Uma alta concentração de heroína e vestígios de Valium também foram encontrados em seu corpo. O corpo de Cobain tinha ficado deitado lá por dias, o relatório do legista estimou que Cobain tinha falecido em 5 de abril de 1994.

Porem, o Detetive Tom Grant, apresenta uma outra teoria: Cobain foi assassinado!

Acredita nisso pois no local do crime, havia pouco sangue espalhado perto do corpo.
O que não seria improvável pois ao atirar conta a cabeça ali naquele local concerteza voaria muito sangue e não foi o que aconteceu. Tese que é contestada por Nick Broomfield;

Uma ex-empregada que teria se demetido dias antes da morte de Kurt disse em uma reportagem que Courtney comentava sobre “testamento”;

O cantor de rock El Duce foi atropelado por um comboio trem, dias após dar uma entrevista dizendo que Coutney Love teria oferecido a ele 50 mil dolares para matar Kurt Cobain, mas ele não aceitou. Depoimento esse que se comprovou pois ele teria sido submetido a um detector de mentira, usado pelo FBI.

Outra evidencia é a procuradora de Cobain que suspeita que Courtney teria mandado alguém o matar, pois ela diz acreditar ele nunca foi suícida e contou que no dia de sua morte, Courtney estava em Los Angeles sem nenhum motivo aparente;

Ao fazer a autopsia foi registrado 1.52mg de heroína a cada litro de sangue de Kurt, o que seria fatal a qualquer pessoa normal pois pararia o organismo em questão de segundos. Alegação confirmada por vários médicos.

Muita coisa se diz sobre as circustâncias que levaram à morte de Kurt, mas há dez fatores que podem ter levado Kurt ao suicídio:

1- Drogas: aos sete anos Kurt já tomava tranquilizantes e antidepressivos. Provavelmente vem daí sua propensão para a dependência quimica, inclusive heroina;

2- Fruto de um lar desfeito: Já que Kurt cresceu infeliz empurrado de um parente para outro. E provavelmente, nunca ter superado a separação dos pais;

3- Anticorporativista xiita, ele só acabou rendendo a Geffen a “bagatela”de 50 milhões. Pode também ter sido atormentado por causa disso.

4- Como dizia: “Ser famoso, pra mim é viver em paranóia, com todos me invadindo o tempo todo”.

5- O músico era patalógicamente depressivo, desde a infância.

6- O fato de ter virado celebridade o fez reviver outro clichê do Rock: Perda de contato com a maioria dos amigos antigos, que continuaram em Seattle.

7- Kurt e Courtney viviam uma relação de amor e ódio, comparável a de Sid Vicious (ex- Sex Pistols) e Nancy Spugen;

8- Após inúmeras visitas aos especialistas, suas interminaveis dores de estomago foram diagnosticadas como um possivel reflexo da escoliose na coluna. Provavelmente, sua postura semi-curavada afectava um nervo ligado ao sistema digestivo, e causava dor. Durante os shows, seu corpo fabricava endorfina suficiente para aplaca-la. No final do show, quando se jogava sobre os instrumentos, Kurt demonstrava que não estava sentindo dor alguma.

9- Se sentia extremamente culpado por não sentir mais prazer em ouvir e em fazer música: O que afetava tremendamente sua relação com o público, imprensa e pessoas em geral.

10- Como muitos gênios sentia reflexo de sua hipersensibilidade: Brilhantemente inteligente, poderia ser ou fazer o que quisesse. Como outros, preferiu “ir embora” que viver incompreendido.

E vocês, o que acham?
Eu tenho minhas dúvidas, mas…

Notas: Desculpem o post ter sido maior que o habitual, mas o assunto pede todos esse detalhes; Dizem que sua biografia será transformado em filme, adaptado do livro: Mais pesado que o céu.

Esta é uma homenagem de Jared Leto à Kurt; como ficou parecido, não? Rs

Beijos.

22 Comentários
!-- WP FOOTER -->